Da sintomatologia de modelo junguiano à crítica portadora de coordenadas transcendentais

uma leitura a respeito do Sacher-Masoch de Deleuze

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-3173.2020.v43n4.11.p183

Palavras-chave:

Deleuze, Sacher-Masoch, Jung, Sintomatologia, Transcendental

Resumo

O objetivo geral do presente trabalho consiste em explicitar o percurso entre duas leituras que Gilles Deleuze realiza acerca da obra de Sacher-Masoch na década de 60 do Século XX. A primeira leitura concerne ao artigo de 1961 intitulado De Sacher-Masoch ao masoquismo. A segunda leitura diz respeito ao livro de 1967 intitulado de Sacher-Masoch – o frio e o cruel. Postula-se que a relação entre esses dois momentos é constituída por um processo de radicalização transcendental da parte de Deleuze, o qual vai da sintomatologia de modelo junguiano até alcançar a crítica transcendental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciano da Silva Façanha, Universidade Federal do Maranhão

Pós-Doutorado em Filosofia, estética do Século XVIII - PUC/SP. Doutor e Mestre em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Bacharel em Direito pela Universidade Cidade de São Paulo e licenciado em Filosofia pela Universidade Federal do Maranhão. Atua na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), como professor Associado no Departamento de Filosofia (DEFIL); Coordenou o Programa de Pós-graduação em Cultura e Sociedade - Mestrado Interdisciplinar (PPGCult), de 2014 a 2018; Professor nos Mestrados em Cultura e Sociedade e Mestrado Profissional em Filosofia da UFMA - PROF-Filo/UFMA. Foi coordenador do DINTER em Filosofia USP/UFMA; Coordena o NEPI Núcleo de Estudos do Pensamento Iluminista; é líder do Grupo de Estudo e Pesquisa Interdisciplinar Jean-Jacques Rousseau UFMA (GEPI Rousseau UFMA), registrado no Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq. Integrante do Núcleo de sustentação do GT Rousseau e o Iluminismo da ANPOF (Associação Nacional de Pós-Graduação em Filosofia). Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase no Pensamento do Século XVIII, atuando principalmente nos temas relacionados à estética do século XVIII, História da Filosofia Moderna, Iluminismo, problemas da linguagem na filosofia, História, Filosofia e Literatura, Belas-Letras e Belas-Artes. Se dedica aos estudos dos filósofos Jean-Jacques Rousseau, Diderot, Voltaire e Montesquieu e a teoria crítica literária contemporânea de Maurice Blanchot e Roland Barthes referentes aos estudos estéticos do XVIII. Bolsista de estímulo a produtividade em pesquisa FAPEMA Doutor Sênior edital n° 007/2018.

Flávio Luiz de Castro Freitas, Universidade Federal do Maranhão

Doutor em Filosofia pela Universidade Federal de São Carlos - UFSCar. Com estágio sanduíche pela Universidade Pantheon - Sorbonne, Paris I. Professor Adjunto I e Professor Permanente do Programa de Pós graduação Interdisciplinar em Cultura e Sociedade da Universidade Federal do Maranhão - UFMA.

Downloads

Publicado

2020-11-20

Edição

Seção

Artigos/Articles