As resistências ao poder em Michel Foucault

Autores

  • Guilherme Castelo Branco

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31732001000100016

Palavras-chave:

Resistência, poder, liberdade, Foucault, filosofia contemporânea.

Resumo

Ainda pouco estudada, a última fase do pensamento de Michel Foucault traz contribuições inegáveis ao debate ético e político de nossa época, sobretudo por enfatizar o papel do indivíduo e das coletividades nas lutas de transformação das estruturas de poder ora vigentes. Os modos de ser das lutas de resistência, sua importância no quadro referencial do último Foucault, revelam uma dimensão política antes insuspeitada em sua obra. Essa dimensão, para além da analítica do poder, concede aos pequenos e múltiplos movimentos de contestação papel importante e decisivo para o futuro da vida sociopolítica, fora do quadro programático dos partidos políticos estabelecidos e das formas de ação instituídas. O que nos leva a retomar, a partir de novos referenciais teóricos, a discussão sobre o potencial revolucionário ainda possível da atualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2001-01-01

Como Citar

Castelo Branco, G. (2001). As resistências ao poder em Michel Foucault. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 24(1), 237–248. https://doi.org/10.1590/S0101-31732001000100016

Edição

Seção

Artigos e Comentários