A natureza gramatical das sensações: notas céticas sobre sentido e imaginação

Autores

  • José Benjamim Picado

Resumo

O texto procura recensear algumas das fontes de um discurso de espécie cética sobre o problema da atribuição de qualidades estéticas a objetos: o maior propósito deste conjunto deve entender-se como sendo um ataque à origem perceptiva dos fatos sensíveis. O autor recorre para tanto aos marcos do diálogo entre a fenomenologia e a filosofia analítica, sobretudo com G. Ryle, assim como às interrogações de L. Wittgenstein sobre o estatuto da investiga- ção estética: nestes âmbitos, identifica o problema da imagem como fato perceptivo à necessidade de uma descrição gramatical dos juízos que envolvem estas experiências. O texto indica, finalmente, no âmbito dos escritos anti-cartesianos de Ch. S. Peirce às fontes de uma teoria do estético como filosofia da discursividade aplicada aos juízos perceptivos: sua teoria semiótica, em verdade, constituiria uma transformação radical do problema da inferência, na dire- ção de uma teoria das formas ampliativas, ou sintéticas, do entendimento (a justificação para a validade dos procedimentos indutivos e hipotéticos para a ciência e para a descrição dos juízos denotativos).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

1997-01-01

Como Citar

Picado, J. B. (1997). A natureza gramatical das sensações: notas céticas sobre sentido e imaginação. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia Da Unesp, 20(1), 115–129. Recuperado de https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/792

Edição

Seção

Artigos e Comentários