A FORJA DO MITO EM AS MOSCAS DE SARTRE

Autores

  • Leandro Neves CARDIM

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31732017000400010

Palavras-chave:

Sartre, Teatro, Mito, Tradição, Atualidade

Resumo

A peça de teatro As moscas, de Sartre, será abordada com o intuito de acompanhar o modo como seu autor reinventa o mito de Orestes, presente na tragédia grega. Sartre subscreve pontos de partida que nos fazem perceber que, em seu diálogo com a tradição, ele trabalha com a liberdade no avesso da necessidade, o que termina invertendo a tradição. Ele adota certa concepção da relação entre o passado e o mundo atual que nos permite ler o mito de Orestes de tal forma que ele não exclui o passado, antes, o exige. Orestes não se faz do nada, sua ação não se estabelece através de uma simples continuidade com o passado. Trata-se de investigar a importância que o passado desempenha no interior dessa peça, assim como indicar, a partir desse ponto de vista, o lugar que nossas aquisições devem ocupar no mundo atual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Neves CARDIM

O Laboratório Editorial foi instituído com o objetivo de criar condições e oportunidades para a difusão de pesquisas e tornar públicos os resultados dos trabalhos do corpo docente da FFC. Constitui-se num órgão adjunto à Diretoria da FFC e vinculado à SAEPE, com o apoio da Seção Gráfica, da Diretoria, da Biblioteca, e das Seções de Finanças, Compras e Técnica Acadêmica. A função do Laboratório Editorial é a de assessorar, planejar, realizar e distribuir livros, periódicos e outras publicações elaboradas na FFC.

E-mail: labeditorial@marilia.unesp.br 

Downloads

Publicado

2017-11-08

Como Citar

CARDIM, L. N. (2017). A FORJA DO MITO EM AS MOSCAS DE SARTRE. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 40(4), 167–186. https://doi.org/10.1590/S0101-31732017000400010

Edição

Seção

Artigos e Comentários