A CRÍTICA À SUPERSTIÇÃO NO PENSAMENTO DE PIERRE BAYLE

Autores

  • Marcelo de Sant’Anna Alves PRIMO

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31732017000300008

Palavras-chave:

Bayle, Crítica, Superstição

Resumo

A superstição é definida por Bayle, em diversos momentos e diversas obras do filósofo francês, como: a) algo característico da corrupção natural humana; b) a prova da facilidade do homem em se ater às mais diversas crendices, logo, estando sujeito não só a uma, mas a todo tipo de superstições; c) o fenômeno que se instaurou e se disseminou na sociedade, perseguindo a todos e gerando ilusões por toda parte, através de presságios, profecias, prodígios, e sinais. Nesse quadro de diversas e intangíveis absurdidades, a superstição ganha forma, indo para além dos domínios da razão e, assim, Bayle, em seus escritos, torna manifesta a oposição entre a filosofia e a ignorância supersticiosa, entre o entendimento e a imaginação e entre as explicações científicas e os relatos fantásticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo de Sant’Anna Alves PRIMO

O Laboratório Editorial foi instituído com o objetivo de criar condições e oportunidades para a difusão de pesquisas e tornar públicos os resultados dos trabalhos do corpo docente da FFC. Constitui-se num órgão adjunto à Diretoria da FFC e vinculado à SAEPE, com o apoio da Seção Gráfica, da Diretoria, da Biblioteca, e das Seções de Finanças, Compras e Técnica Acadêmica. A função do Laboratório Editorial é a de assessorar, planejar, realizar e distribuir livros, periódicos e outras publicações elaboradas na FFC.

E-mail: labeditorial@marilia.unesp.br 

Downloads

Publicado

2017-08-15

Como Citar

PRIMO, M. de S. A. (2017). A CRÍTICA À SUPERSTIÇÃO NO PENSAMENTO DE PIERRE BAYLE. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 40(3), 133–156. https://doi.org/10.1590/S0101-31732017000300008

Edição

Seção

Artigos e Comentários