A incomensurabilidade entre as filosofias e a inexistência de revoluções em filosofia

Autores

  • Alberto Oliva

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31732012000200011

Palavras-chave:

Essencialismo. Justificação epistêmica. Incomensurabilidade

Resumo

Este artigo se ocupa de questões metafilosóficas. Nele, discutiremos as razões que fazem com que a filosofia, diferentemente da ciência, problematize a si mesma como empreendimento cognitivo. Em particular, procuraremos identificar como e por que a filosofia acaba se constituindo em problema para si mesma. À exceção das ciências sociais onde há estudos críticos do tipo sociologia da sociologia, a ciência em geral não põe em discussão a si mesma. Raros são os casos em que a ciência chega ao extremo de questionar a própria cognitividade. A filosofia, em alguns de seus mais lúcidos e profícuos exercícios, não se furta a se avaliar como projeto cognitivo. Com esse tipo de preocupação metafilosófica, nosso artigo questionará a pretensão das grandes filosofias de protagonizar revoluções. Defenderemos a tese de que inexistem as revoluções postuladas pelos filósofos, destacando que a incomensurabilidade subsistente entre as filosofias não é provocada por rupturas conceituais ou explicativas e sim pela adoção de diferentes pressuposições absolutas, conforme definidas por Collingwood.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-08-03

Como Citar

Oliva, A. (2012). A incomensurabilidade entre as filosofias e a inexistência de revoluções em filosofia. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 35(02), 199–238. https://doi.org/10.1590/S0101-31732012000200011

Edição

Seção

Artigos e Comentários