A EMANCIPAÇÃO OCIOSA, OU, O QUE NOS PROPÕE A TEORIA CRÍTICA DE MARX?

Autores

  • Amaro Fleck

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31732012000100006

Palavras-chave:

, Karl Marx. Crítica ao capitalismo. Crítica do trabalho.

Resumo

No presente artigo, traço, rapidamente, a perspectiva a partir da qual Marx constrói sua crítica ao capitalismo, a saber, a diferença entre o potencial transformador da técnica tal como desenvolvida sob o modo capitalista de produção e a sua realidade efetiva nesse mesmo sistema (parte 1). Com isso feito, argumento que a crítica de Marx ao sistema capitalista consiste em grande parte no fato de a valorização permanente do capital ser a meta da produção, uma finalidade irracional e que cria uma dominação abstrata desse mecanismo sobre os indivíduos (parte 2), de modo a, por fim, repensar o sentido de emancipação no pensamento marxiano tardio, sustentando, sobretudo, que se trata de uma emancipação dessa dominação abstrata que culmina, também, em uma emancipação do trabalho em prol da criação de cada vez mais tempo disponível (parte 3).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-03-23

Como Citar

Fleck, A. (2012). A EMANCIPAÇÃO OCIOSA, OU, O QUE NOS PROPÕE A TEORIA CRÍTICA DE MARX?. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 35(1), 73–88. https://doi.org/10.1590/S0101-31732012000100006

Edição

Seção

Artigos e Comentários