Teleontologia: a expressão metafísica da modernidade tardia

Autores

  • José Henrique Alexandre de Azevedo UECE

Palavras-chave:

Teleontologia, Ser, Ser-Homem, Colonialismo, Capitalismo

Resumo

EEsta é uma primeira tentativa do autor de propor um modelo metafísico de interpretação da modernidade tardia (que emerge na metade do século XVIII e vai até o fim da II Guerra), por meio do conceito de teleontologia. Assim, a teleontologia é o procedimento do espírito desse tempo de deslocar a ontologia (investigação sobre o ser enquanto ser, à qual a existência é um atributo) para uma teleologia, na qual a essência deve ser conquistada e revelada ao final de um processo progressivo. Em vez do Ser, o homem se tornou o grande objeto dessa investigação, e a pergunta sobre o ser enquanto ser deu lugar ao conceito iluminista de ser-homem (nunca realizado) e à finalidade de alcançá-lo, para satisfazer o que a razão projetou à espécie humana. No entanto, à medida que o projeto de atingir o nível do ser-homem avançava, clareava a sua verdadeira natureza, a saber, a expansão capitalista/colonial como força unilateral e arbitrária, a qual forçou todos a seguir paradigmas teleontológicos. A teleontologia demonstra que a metafísica (greco-cristã) é um elemento particular (e nunca universal) submetido a uma cultura e expressando, no caso aqui em questão, a estrutura de pensamento eurocentrado que se mundializou, através da expansão do capital/colonização. Neste escrito, propõe-se pensar sobre 1 – o que é a teleontologia, 2 – quais são os seus objetos, 3 – e qual é a sua origem.sta é a primeira tentativa de propor um modelo metafísico de interpretação da modernidade tardia (virada do século XVIII ao XIX), por meio do conceito de teleontologia. Assim, a teleontologia é o procedimento do espírito deste tempo de deslocar a ontologia (investigação sobre o ser enquanto ser à qual a existência é um atributo) para uma teleologia, na qual a essência deve ser conquistada e revelada ao final de um processo progressivo. Em vez do Ser, o homem se tornou o grande objeto desta investigação e a pergunta sobre o ser enquanto ser deu lugar ao conceito iluminista de ser-homem e à finalidade de alcançá-lo para satisfazer o que a razão projetou à espécie humana. No entanto, à medida que o projeto de atingir o nível do ser-homem avançava, clareava a sua verdadeira natureza, a saber, a expansão colonial como força unilateral e arbitrária que forçou a todos a seguir paradigmas teleontológicos. A teleontologia demonstra que a metafísica (greco-cristã) é um elemento submetido à cultura e  expressa, no caso aqui em questão, a estrutura de pensamento eurocentrado que mundializou-se, por meio da expansão do capital/colonização. Neste escrito nos propomos pensar sobre 1 – o que é a teleontologia, 2 – quais são os seus objetos, 3 – e qual é a sua origem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Henrique Alexandre de Azevedo, UECE

Professor adjunto dos cursos de Filosofia da Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza, CE – Brasil. ORCID: https://orcid.org/my-orcid?orcid=0000-0001-9600-7183.

Referências

ANGHIE, A. Imperialism, Soveireingty and the making of International Law. Singapore: Cambridge University Press, 2004.

AUBENQUE, P. Desconstruir a metafísica? Tradução de Aldo Vannuchi. São Paulo: Loyola, 2012.

AZEVEDO, H. Estrangeiro em própria terra: do anti-parmênides. In: COSTA, G. et al. (Org.). Jornadas Inóspitas. Fortaleza: EDUECE, 2017.

AZEVEDO, H. A Antropologia como finalidade da filosofia em Kant. 2019. Tese (Doutorado) – UNICAMP, Campinas, 2019.

BURNET, J. A Aurora da filosofia grega. Tradução de Henrique Cairus et al. Rio de Janeiro: PUC/Contraponto, 2006.

CRARY, J. Técnicas do Observador: visão e modernidade no século XIX. Tradução de Verrah Chamma. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

DANOWSKI, D.; VIVEIROS DE CASTRO, E. Há Mundo por Vir? Ensaios sobre os Medos e os Fins. Florianópolis: Desterro/Instituto Socioambiental/Cultura e Barbárie, 2014.

DUGIN, A. La Cuarta Teoría Política. Traducción de Alexandre Villacian y Fernando Rivero. Barcelona: Nueva República, 2013.

DUSSEL, E. 1492 – O Encobrimento do Outro: A Origem do Mito da Modernidade. Tradução de Jaime Clasen. Petrópolis: Vozes, 1993.

FOUCALT, M. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Tradução de Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

GANDILLAC, M. de. O renascimento platônico segundo Marsilio Ficino. In: GANDILLAC, M. de. Gêneses da Modernidade. Tradução de Marília Pessoa e Lúcia Cláudia Leão. São Paulo: Editora 34, 1995.

GILSON, E. O Ser e a Essência. Tradução de Carlos Eduardo de Oliveira et al. São Paulo: Paulus, 2016.

HEGEL, G. W. F. Ciência da Lógica: a doutrina do ser. Tradução de Federico Orsini, Christian Iber e Marloren Miranda. Petrópolis: Vozes, 2014a.

HEGEL, G. W. F. Fenomenologia do Espírito. Tradução de Paulo Meneses. Petrópolis: Vozes, 2014b.

HEGEL, G. W. F. A Razão na História. Tradução de Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 2020.

HEIDEGGER, M. Ser e Tempo I e II. Tradução de Márcia Sá Carneiro. Petrópolis: Vozes, 2004.

HEIDEGGER, M. Nietzsche I. Tradução de Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

HEIDEGGER, M. Identidade e diferença. Tradução de Ernildo Stein. Petrópolis: Vozes, 2018.

HEIDEGGER, M. A Questão da técnica. Tradução de Marco Aurélio Werle. São Paulo: Paulus, 2020.

KANT, I. Crítica da Razão Pura. Tradução de Alexandre Fradique Morujão e Manuela Pinto dos Santos. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2010.

KOSELLECK, R. Crítica e Crise: uma contribuição à patogênese do mundo burguês. Tradução de Luciana Villas-Boas Castelo Branco. Rio de Janeiro: EDUERJ/Contraponto,1999.

KOSELLECK, R. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Tradução de Wilma Patrícia Maas e Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

KURZ, R. Razão Sangrenta: ensaios sobre a crítica emancipatória da modernidade capitalista e de seus valores ocidentais. Tradução de Fernando Barros. São Paulo: Hedra, 2010.

LAND, N. The Dark Enlightenment. London: Imperium, 2022.

LIMA VAZ, H. Escritos de Filosofia III: Filosofia e Cultura. São Paulo: Loyola, 1997.

NIETZSCHE, F. Além do bem e do mal: prelúdio a uma filosofia do futuro. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

NIETZSCHE, F. Crepúsculo dos ídolos: ou como se filosofa com o martelo. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

OLIVEIRA, P. R. Dinheiro, mercadoria e Estado nas origens da sociedade moderna. São Paulo: Loyola, 2018.

ROSA, H. Aceleração: transformação das estruturas temporais da modernidade. Tradução de Rafael Silveira. São Paulo: UNESP, 2019.

SQUADRITO, K. Locke and the Dispossession of the American Indian. In: LOTT, T.; WARD, J. Philosophers on race: critical essays. Oxford: Blackwell, 2002.

SUÁREZ, F. Disputaciones Metafisicas. V. I. Traducción de Sérgio Rábade Romeo. Madrid: Gredos, 1960.

WILLIAMS, E. Capitalismo e Escravidão. Tradução de Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

Recebido: 16/07/2023 - Aceito: 25/08/2023 - Publicado: 13/02/2024

Publicado

08-02-2024

Como Citar

Alexandre de Azevedo, J. H. (2024). Teleontologia: a expressão metafísica da modernidade tardia. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia Da Unesp, 47(1), e0240078. Recuperado de https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/14860

Edição

Seção

Artigos