Hábitos e racionalidade: um estudo filosófico-interdisciplinar sobre autonomia na era dos big data

Autores

  • Maria Eunice Gonzalez UNESP
  • Mariana Claudia Broens UNESP
  • José Artur Quilici-Gonzalez UFABC
  • Guiou Kobayashi UFABC

Palavras-chave:

Autonomía, Big Data, Emoções, Hábitos, Tecnologias de informação e comunicação, Sistemas complexos qualitativos

Resumo

Neste texto, discutimos o seguinte dilema: por um lado, o crescente impacto das Tecnologias de Comunicação e Informação nos hábitos cotidianos parece influenciar a dinâmica da opinião pública, reforçando crenças irracionais e criando a impressão de que a autonomia da opinião e das decisões das pessoas é apenas um mito. Por outro lado, as pessoas parecem agir racionalmente na maioria das vezes, nas circunstâncias normais da vida cotidiana, como se suas ações habituais resultassem de decisões relativamente autônomas. A hipótese que propomos para superar o dilema é de que as pessoas podem agir racionalmente na maioria das vezes, mas têm suas opiniões influenciadas por informações insuficientes ou distorcidas ou por hábitos e disposições emocionais previamente adquiridas. Essa hipótese, por sua vez, será examinada, a partir de uma perspectiva filosófico-interdisciplinar, considerando o papel das escolhas racionais na dinâmica de formação da opinião autônoma. Com diagramas ilustrativos, argumentamos que hipóteses da teoria dos Sistemas Complexos podem auxiliar a compreensão do possível papel de disposições emocionais no processo de formação de opiniões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Eunice Gonzalez, UNESP

Docente na Universidade Estadual Paulista (UNESP/Marília), Marília, SP – Brasil. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-3837-4644

Mariana Claudia Broens, UNESP

Docente na Universidade Estadual Paulista (UNESP/Marília), Marília, SP – Brasil. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-1007-8576.

José Artur Quilici-Gonzalez, UFABC

Docente no Centro de Matemática, Computação e Cognição da Universidade Federal do ABC (UFABC), Santo André, SP – Brasil. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-8695-0458.

Guiou Kobayashi, UFABC

Docente no Centro de Matemática, Computação e Cognição da Universidade Federal do ABC (UFABC), Santo André, SP – Brasil. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-2563-8601.

Referências

ALTARES, G. Agnes Heller: “A maldade mata, mas a razão leva a coisas mais terríveis”. 2017. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/09/02/eps/1504379180_260851.html. Acesso em: 10 mar. 2022.

ANSCOMBE, E. Modern Moral Philosophy. Philosophy, v. 33, n. 124, p. 1, 1958. Disponível em: https://www.pitt.edu/~mthompso/readings/mmp.pdf. Acesso em: 27 maio 2022.

BAIN, A. The Emotions and the Will. Miami: HardPress, 2017.

BATESON, G. Steps to an Ecology of Mind: Collected Essays in Anthropology, Psychiatry, Evolution, and Epistemology. Chicago: University of Chicago Press, 1972.

BATESON, G.; JACKSON, D.; HALEY, J.; WEAKLAND, J. Toward a theory of schizophrenia. Behavioral Science, v. 1, n. 4, p. 251-254, 1956.

BENTHAM, J. An Introduction to the Principles of Morals and Legislation. Kitchener - CA: Batoche Books, 2000. Disponível em: https://historyofeconomicthought.mcmaster.ca/bentham/morals.pdf. Acesso em: 16 jun. 2022.

BOYD, D.; CRAWFORD, K. Critical Questions for Big Data. Provocations for a cultural, technological, and scholarly phenomenon. Information, Communication & Society, v. 15, n. 5, p. 662-679, Jun. 2012.

CHOI, S.; FARA, M. Dispositions. In: ZALTA, E. N. (ed.). The Stanford Encyclopaedia of Philosophy (Fall 2018 Edition). Disponível em: https://plato.stanford.edu/archives/fall2018/entries/dispositions. Acesso em: 23 abr. 2022.

DREYFUS, H. What Computers Can't Do: The Limits of Artificial Intelligence. Revised edition. New York: Harper and Row, 1972.

FURNER, J. Data: The data. In: KELLY, M.; BIELBY, J. (ed.). Information Cultures in the Digital Age. A Festschrift in Honour of Rafael Capurro. Wiesbaden: Springer Fachmedien, 2016.

GONZALEZ, M. E. Q. Autonomous action in complex mechanical systems: A real dilemma? In: ADAMS, F.; PESSOA JUNIOR, O.; KOGLER JUNIOR., J. E. (ed.). Cognitive Science: Recent Advances and Recurring Problems. Wilmington (DE), v. 1, p. 17-30, 2017.

HANDFIELD, T. The Metaphysics of Dispositions and Causes. In: HANDFIELD, T. (ed.). Dispositions and Causes, Oxford: Oxford University Press, 1-31, 2009. Disponível em: http://home.iprimus.com.au/than/toby/met-disp-caus.pdf. Acesso em: 14 fev. 2022.

LALANDA-GONÇALVES, R. (org.) A sistêmica qualitativa: uma reflexão nos Açores. Tradução de Laura Lourenço. Ponta Delgada: CES/UA, Centro de Estudos Sociais da Universidade dos Açores, 2010.

LANEY, D. 3D Data Management Controlling Data Volume Velocity and Variety. 2001. Disponível em: https://blogs.gartner.com/doug-laney/files/2012/01/ad949-3D-Data-Management-Controlling-Data-Volume-Velocity-and-Variety.pdf. Acesso em: 05 set. 2018.

MAYER-SCHONBERGER, V.; CUKIER, K. Big Data. A Revolution That Will Transform How We Live, Work and Think. Boston: Houghton Mifflin Harcourt, 2013.

PAYNE, A. Brexit poll finds record majority of British people think leaving the EU was a mistake. Insider, 17 nov. 2020. Disponível em: https://docs.cdn.yougov.com/9pwtr2uj3h/TheTimes_VITrackerResults_201112.pdf. Acesso em: 22 jan. 2022.

RYLE, G. The concept of mind. Chicago: University of Chicago Press, 1949.

SAPIRE, D. Disposition. In: AUDI, D. (ed.). The Cambridge Dictionary of Philosophy, 2. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

SEARLE, J. R. Minds, brains, and programs. Behavioral and Brain Sciences, v. 3, n. 3, p. 417-457, 1980. Disponível em: http://www.bbsonline.org/Preprints/OldArchive/bbs.searle2.html. Acesso em: 22 jan. 2022.

SHANNON, C. A Mathematical Theory of Communication. The Bell System Technical Journal, v. 27, p. 379-423, 623-656, Jul./Oct. 1948. Disponível em: https://people.math.harvard.edu/~ctm/home/text/others/shannon/entropy/entropy.pdf. Acesso em: 18 mar. 2022.

SCHWITZGEBEL, E. Belief. In: ZALTA, E. N. (ed.). The Stanford Encyclopaedia of Philosophy (Summer 2019 edition). Disponível em: https://plato.stanford.edu/archives/sum2019/entries/belief/. Acesso em: 10 set. 2022.

SIDGWICK, H. The Methods of Ethics. 7. ed. London: Macmillan, 1907. Disponível em: https://www.gutenberg.org/files/46743/46743-h/46743-h.htm. Acesso em: 4 jun. 2022.

WEBER, M. Economy and Society: An Outline of Interpretive Sociology. Berkeley, CA: University of California Press, 1978.

WIENER, N. Cybernetics: or the Control and Communication in the Animal and the Machine. Cambridge, Massachusetts: MIT Press, 1948.

Agradecimentos: Agradecemos as contribuições de Ettore Bresciani Filho e Juliana Moroni e as parcerias do GAEC – Grupo Acadêmico de Estudos Cognitivos da UNESP e do Grupo Auto-Organização do CLE – Centro de Lógica, Epistemologia e História da Ciência da UNICAMP. Também agradecemos o apoio da UNESP e do CNPq.

Recebido: 27/08/2023

Aceito: 16/01/2023

Publicado

08-07-2023

Como Citar

Gonzalez, M. E., Broens, M. C., Quilici-Gonzalez, J. A., & Kobayashi, G. (2023). Hábitos e racionalidade: um estudo filosófico-interdisciplinar sobre autonomia na era dos big data. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia Da Unesp, 46, 367–386. Recuperado de https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/13674