Sobre a origem da linguagem de Herder, o seu legado e a inevitável reflexão a fazer no hipotético quadro de singularidade tecnológica

Autores

  • Paulo Alexandre e Castro IEF-Universidade de Coimbra

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p237

Palavras-chave:

Herder, Linguagem, Natureza Humana, Reflexão, Singularidade

Resumo

Johann Gottfried Herder, à semelhança dos seus contemporâneos, reflectiu sobre a linguagem e em 1772 publicou o Ensaio Sobre a Origem da Linguagem, que no ano anterior lhe valera a distinção da Academia de Berlim para melhor ensaio. No entanto, ainda hoje, muito do seu pensamento é desconhecido, ignorando-se por isso que algumas das modernas abordagens da filosofia contemporânea, da antropologia filosófica ou mesmo da sociobiologia, estão já aí enunciadas, nomeadamente nas narrativas decorrentes da enunciação das quatro leis naturais. Mais do que a justificação sobre a origem da linguagem, o ensaio do filósofo permite ainda compreender e estruturar a natureza humana, inserindo no coração da antropologia filosófica a sua génese e contrariando, se não mesmo confrontando dessa forma, a tradição divina dessa atribuição.

Num primeiro momento far-se-á uma análise genérica da obra, ressaltando as teses fundamentais que permitirão o estabelecimento do diálogo com algumas das abordagens filosóficas contemporâneas. De seguida, admitindo a possibilidade de um cenário de singularidade tecnológica, tal como enunciado por Irving John Good, Vernor Vinge ou Ray Kurzweil, verificar a plausibilidade e validade das teses de Herder no que concerne ao alcance da linguagem e à natureza humana.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Alexandre e Castro, IEF-Universidade de Coimbra

Membro/Investigador do Instituto de Estudos Filosóficos da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Coimbra – Portugal. https://orcid.org/0000-0001-8256-1343.

Referências

ARMSTRONG, S. (2014). Smarter Than Us. The rise of machine intelligence. Berkeley: MIRI, 2014.

BLACKMORE, Susan. The Meme Machine. Oxford: Oxford University Press, 1999.

BLACKMORE, Susan. “A imitação faz de nós humanos” In PASTERNACK, C. (Ed.), O que nos torna Humanos? Lisboa: Texto e Grafia, 2009.

BOSTROM, Nick. Superintelligence. Paths, Dangers, Strategies. Oxford: Oxford University Press, 2014.

BOSTROM, Nick. & MUEHLAUSER, L. Why We Need Friendly AI. Think. 13 (36), pp. 41-47, 2014.

CASTRO, Paulo Alexandre e. A última grande invenção ou o fim do humano In PIRES, Helena et al. (orgs) Cibercultura. Circum-navegações em redes transculturais de conhecimento, arquivos e pensamento. Braga: Centro de Estudos Comunicação e Sociedade e Húmus, pp. 97-106, 2017.

CHACE, Calum. Surviving AI. The promise and peril of artificial intelligence. Londres: Three Cs Publishing, 2015.

DOBRANSZKY, Enid Abreu (1996). De língua e literatura: considerações acerca do ensaio Sobre a origem da linguagem de Herder, in Educação e Ensino, V. 1, n. 1, pp. 123-132, 1996.

EVERETT, Daniel L. How Language Began. The Story of Humanity’s Greatest Invention. New York: Liveright/Norton, 2017.

HERDER, Johann Goottfried. Ensaio sobre a origem da linguagem (José M. Justo, Trans). Lisboa: Antígona, 1987.

JOY, B. Why the Future Doesn’t Need Us. Wired, 8 (4), 1-18, 2000.

KURZWEIL, R. Singularity is Near. Londres: Gerald Duckworth, 2006.

MORIN, Edgar O paradigma perdido – a natureza humana (Hermano Neves, Trans.). Lisboa, Publicações Europa-América, 2000.

PARRET, H. History of Linguistic Thought and Contemporary Linguistics. New York: De Gruyter, 1975.

RUSSEL, S. & NORVIG, P. Artificial Intelligence: A Modern Approach. Upper Saddle River: Prentice Hall, 2003.

SAVAGE-RUMBAUGH, S. G. SHANKER, e T. J. TAYLOR. Apes, Language, and the Human Mind. New York: Oxford University Press, 1998.

WELSH, Talia. Do Neonates Display Innate Self-Awareness? Why Neonatal Imitation Fails to Provide sufficient Grounds for Innate Self-and Other-Awareness», Philosophical Psychology, 19: pp. 221-238, 2006.

Downloads

Publicado

2022-07-07 — Atualizado em 2022-07-07

Como Citar

Castro, P. A. e. (2022). Sobre a origem da linguagem de Herder, o seu legado e a inevitável reflexão a fazer no hipotético quadro de singularidade tecnológica. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 45(3), 237–254. https://doi.org/10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p237

Edição

Seção

Artigos e Comentários