Macrorrealismo fenomenológico e campos-experiência

Autores

  • Renato Schaeffer

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31731995000100011

Palavras-chave:

Campo-experiência, Macronealismo fenomenológico, Percepção sensorial, Microrrealismo científico, Representacionalismo, Neurofisicalismo

Resumo

Este artigo critica a concepção predominante, representacionista-neurofisicalista sobre a percepção sensorial. Introduz a noção de "campo-experiência" na tentativa de tratamento ontológico dos dados fenomenológicos da experiência. A idéia geral é que a experiência visual, por exemplo, seria ontologicamente algo assim como um campo-experiência de intencionalidade visual, que se estende por sobre e entre o sistema nervoso central do sujeito da experiência e o objeto distai da visão. Chamo esta posição de macrorrealismo fenomenológico, em contraste com o microrrealismo científico. Qualidades da fenomenalidade não estão subjetivamente dentro do cérebro, mas objetivamente dentro de campos-experiência perceptuais extra-encefálicos, ou, como dizemos, lá fora no mundo. Algumas conseqüências específicas do macrorrealismo fenomenológico são apresentadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

1995-01-01

Como Citar

Schaeffer, R. (1995). Macrorrealismo fenomenológico e campos-experiência. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 18, 141–156. https://doi.org/10.1590/S0101-31731995000100011

Edição

Seção

Artigos e Comentários