Platão e o pensamento grego

Autores

  • Francisco Benjamin de Souza Netto Faculdade de Filosofia e Ciências - FFC - Campus de Marília

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31731982000100002

Palavras-chave:

Platão, Aristóteles, Pré-Socráticos, Homero, Hesíodo, ser, ente, eidos, forma, episteme, ciência, logos, mythos, mitologia, teologia, idealismo, racionalismo, polis, política, fysis, natureza, metafísica, física

Resumo

O Pensamento de Platão tem o encanto das estátuas de Dédalo: esvai-se pelos meandros do discurso, tão logo se pretenda travar com ele uma relação de domínio. A sua correta interpretação exige que se assuma a Polis como o lugar natural no qual emerge, como a limitação que ele se propõe superar remontando à Fysis e ao Ser. Fazê-lo importa em captar o movimento que lhe é próprio, partindo da questão sobre o ente e visualizando a resposta como o enunciado de sua essência, isto é, do eidos, e de seu fundamento, isto é, do Bem como nome próprio do Ser. Determinando o ente em sua essência, o eidos é a medida de toda a adequação, da episteme à Polis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

1982-01-01

Como Citar

Souza Netto, F. B. de. (1982). Platão e o pensamento grego. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 5, 35–42. https://doi.org/10.1590/S0101-31731982000100002

Edição

Seção

Artigos e Comentários