A corrupção em perspectiva latino-americana

a fetichização do poder na obra política de Enrique Dussel

Autores

  • Daniel Pansarelli Universidade Federal do ABC (UFABC)
  • Bruno Reikdal Lima Universidade Federal do ABC (UFABC)

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-3173.2022.v45esp.17.p339

Palavras-chave:

Fetichização do poder, Potentia, Potestas, Corrupção, Enrique Dussel

Resumo

O presente artigo tem por objetivo apresentar o tema da corrupção, a partir da filosofia política de Enrique Dussel. No marco dos movimentos críticos que emergem no chamado Sul Global, a produção teórica de Dussel busca desenvolver uma estrutura que possibilite a crítica ao que denomina como fetichização do poder. Este conteúdo é apresentado como fundamento da corrupção das instituições que, despercebido pela tradição filosófica moderna, implica em uma teoria política que legitima o poder corrompido. Em nossa argumentação, exporemos a arquitetônica da política dusseliana distinguindo os conceitos de potentia potestas. Estes, por sua vez, que permitem a diferenciação entre o uso delegado do poder e da execução corrompida do poder. Em seguida, explicitaremos o movimento que Dussel assume da crítica de Marx à economia política para, então, indicar o conteúdo material a partir do qual a constituição crítica de uma nova teoria política deve ser desenvolvida – inspirado em experiências políticas latino-americanas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Pansarelli, Universidade Federal do ABC (UFABC)

Professor no Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Federal do ABC (UFABC)

Bruno Reikdal Lima, Universidade Federal do ABC (UFABC)

Doutorando em Economia Política Mundial pela Universidade Federal do ABC (UFABC), São Paulo, SP – Brasil.

Referências

CASTIANO, J. P. Referenciais da filosofia africana: em busca da intersubjetivação. Maputo: Ndjira, 2010.

DUSSEL, E. Método para una filosofía de la liberación: superación analéctica de la dialéctica hegeliana. Salamanca: Sígueme, 1974.

DUSSEL, E. Filosofía de la liberación. México: EDICOL, 1977.

DUSSEL, E. El último Marx y la liberación latinoamericana: un comentário a la terceira y cuarta redación de “El Capital”. Buenos Aires: Siglo XXI, 1990.

DUSSEL, E. 1492 – El encubrimiento del otro: Hacia el origen del “mito de la Modernidad”. La Paz: Plural, 1994.

DUSSEL, E. Ética de la liberación: en la edad de la globalización y de la exclusión. Madrid: Trotta, 1998.

DUSSEL, E. 20 tesis de política. México: Siglo XXI/CREFAL, 2006.

DUSSEL, E. Política de la libeación: Volumen I – Historia mundial y crítica. Madrid: Trotta, 2007.

DUSSEL, E. Política de la libeación: Volumen II – Arquitectónica. Madrid: Trotta, 2009.

LIMA, B. R. Fetichização do poder como fundamento da corrupção. Porto Alegre: Fi, 2018.

MARCOS, Subcomandante. Comunicado de enero de 2013: ellos y nosotros. Planeta Terra, 2013. Disponível em: http://enlacezapatista.ezln.org.mx/2013/01/20/ellos-y-nosotros-i-lassin-razones-de-arriba/. Acesso em: 13 ago. 2020.

MARX, K. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858: esboços da crítica da economia política. São Paulo: Boitempo, 2011.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política burguesa. Livro I: o processo de acumulação do capital. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2017.

NGOENHA, S. E. Filosofia africana: das independências às liberdades. Maputo: Edições Paulistas-África, 2003.

WEBER, M. Rejeições religiosas do mundo e suas direções. In: WEBER, M. Textos selecionados. São Paulo: Nova Cultural, 1997 (Col. “Os Pensadores”).

Recebido: 15/8/2020 - Aceito: 10/02/2021

Downloads

Publicado

2022-01-06

Como Citar

Pansarelli, D., & Lima, B. R. (2022). A corrupção em perspectiva latino-americana: a fetichização do poder na obra política de Enrique Dussel. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 45, 339–356. https://doi.org/10.1590/0101-3173.2022.v45esp.17.p339