Pensamento pós-colonial, gênero e poder em María Lugones

multiplicidade ontológica e multiculturalismo

Autores

  • Guilherme Paiva de Carvalho Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-3173.2022.v45esp.16.p311

Palavras-chave:

Gênero, Poder, Colonialismo, Multiculturalismo

Resumo

O artigo objetiva refletir sobre as concepções de gênero, poder, multiplicidade e multiculturalismo, em María Lugones, analisando o modo como sua teoria se associa ao pensamento pós-colonial. Para tanto, aborda a perspectiva do pensamento pós-colonial e a noção de colonialidade do poder, considerando o sistema moderno/colonial de gênero. As teorias pós-coloniais criticam o paradigma epistemológico do Ocidente e a hierarquização baseada na distinção entre humanos e não humanos, colonizador e colonizado. Em sua análise do sistema moderno/colonial, María Lugones introduz a ideia de gênero na reflexão acerca das relações de poder. A teoria de Oyèronké Oyӗwùmí é uma referência para María Lugones, que desenvolve uma concepção de intersecção de raça, classe, gênero e sexualidade, propondo um feminismo decolonial baseado na identificação de formas de resistência e coalizão para emancipação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Paiva de Carvalho, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Pós-Doutor em Ciências Sociais pelo Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais da Universidade de Évora (UÉvora), Évora – Portugal. Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ensino (UERN/UFERSA/IFRN), do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais e Humanas e Professor Colaborador do Programa Interinstitucional de Pós-Graduação em Ensino de Filosofia da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Mossoró. RN – Brasil.

Referências

AMIN, Samir. El Eurocentrismo: crítica de una ideología. Traducción de Rosa Cusminsky de Cendrero. México: Siglo XXI, 1989.

ANZALDUÁ, Gloria. Como domar uma língua selvagem. Cadernos de Letras da UFF; Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n. 39, p. 297-309, 2009.

BALLESTRIN, Luciana Maria de Aragão. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 11, p.89-117, 2013.

BALLESTRIN, Luciana Maria de Aragão. Feminismos Subalternos. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 25, n. 3, p. 1035-1054, 2017.

BALLESTRIN, Luciana Maria de Aragão. Feminismo De(s)colonial como Feminismo Subalterno Latino-Americano. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 28, n. 3, 2020.

BAKARE-YUSUF, Bibi. Yorubas don’t do gender: a critical review of Oyeronke Oyěwùmí’s The Invention of Women: Making an African Sense of Western Gender Discourses. In: VVAA. African Gender Scholarship: Concepts, Methodologies and Paradigms. Dakar: Codesria, 2004. p. 61-81 (Codesria Gender Series).

BIDASECA, Karina. Los peregrinajes de los feminismos de color en el pensamiento de María Lugones. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 953-964, 2014.

CANDAU, Vera Maria Ferrão. Diferenças culturais, Interculturalidade e Educação em Direitos Humanos. Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, p. 235-250, 2012.

CARVALHO, Guilherme Paiva; SILVA, Eliane Anselmo. Justiça social e multiculturalismo: as políticas de reconhecimento de identidades étnico-culturais no Brasil. Direitos Fundamentais e Justiça, ano 9, n. 31, p. 134-159, 2015.

CORONIL, Fernando. Naturaleza del poscolonialismo: del eurocentrismo al globocentrismo. In: LANDER, Edgardo (org.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2000.

CURIEL, Ochy. Construyendo metodologías feministas desde el feminismo decolonial. In: AZKUE, Irantzu Mendia et al. Otras Formas de (Re)Conocer: Reflexiones, herramientas y aplicaciones desde la investigación feminista. Donostia-San Sebastian: Hegoa, 2014.

DUSSEL, Enrique. Europa, modernidad y eurocentrismo. In: LANDER, Edgardo (org.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2000.

DUSSEL, Enrique. 1492, El encubrimiento del otro. 1. ed. Buenos Aires: Docencia, 2012 (Obras Selectas, XIX).

ESPINOSA-MIÑOSO, Yuderkys. Una crítica descolonial a la epistemologia feminista crítica. El Cotidiano, México, n. 184, p. 7-12, 2014.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FALQUET, Jules. Las “Feministas autónomas” latinoamericanas y caribeñas: veinte años de disidencias. Universitas Humanística, Bogotá, v. 78, p. 39-63, 2014.

FUNARI, Pedro Paulo; PIÑON, Ana. A Temática Indígena na Escola. 1. ed. São Paulo: Contexto, 2016.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da UNESCO no Brasil, 2003.

LUGONES, María. Playfulness, “World”-Travelling, and Loving Perception. Hypatia, v. 2, n. 2, 1987.

LUGONES, María. Pilgrimages/Peregrinajes: Theorizing Coalition against Multiple Opressions. Lanham, Md: Rowman & Littlefield, 2003.

LUGONES, María. Heterosexualism and the Colonial/Modern Gender System. Hypatia, v. 22, n. 1, p. 186-209, 2007.

LUGONES, María. Colonialidad y Género. Tabula Rasa, Bogotá, Colombia, n. 9, p.73-101, 2008.

LUGONES, María. Hacia un feminismo descolonial. La manzana de la discordia, v. 6, n. 2, p. 105-119, 2011.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 935-952, 2014a.

LUGONES, María. Radical Multiculturalism and Women of Color Feminism. Journal for Cultural and Religions Theory, v. 13, p. 68-80, 2014b.

MALDONADO-TORRES, Nelson. On the Coloniality of Human Rights. Revista Crítica de Ciências Sociais, v. 114, p. 117-136, 2017.

MIGNOLO; Walter. Cuáles son los temas de género y (des)colonialidad? Género y descolonialidad. 2. ed. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Del Signo, 2014.

MIGNOLO, Walter; JIMÉNEZ-LUCENA, Isabel; LUGONES, María; TLOSTANOVA. Género y descolonialidad. 2. ed. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Del Signo, 2014.

MOYA, Paula M. L. Pilgramages/Peregrinajes: Theorizing Coalition against Multiple Opressions by María Lugones. Hypatia, v. 21, n. 3, p. 198-202, 2006.

NASCIMENTO, Wanderson Flor do. Oyèrónkẹ́ Oyěwùmí: potências filosóficas de uma reflexão. Problemata: Intertional Journal of Philosophy, v. 10, n. 2, p. 8-28, 2019.

NOGUERA, Renato. O Ensino de Filosofia e a Lei 10.639. 1. ed. Rio de Janeiro: Pallas: Biblioteca Nacional, 2014.

OYӖWÙMÍ, Oyèronké. La Invención de las Mujeres: Una perspectiva africana sobre los discursos occdentales del género. Traducción de Alejandro Montelongo González. Bogotá: En la Frontera, 2017.

PAREDES, Julieta. Hilando Fino. Desde el feminismo comunitario. 2. ed. México: Comunidad Mujeres Creando Comunidad, 2014.

QUIJANO, Aníbal. A Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder y clasificación social. In: QUIJANO, Aníbal. Cuestiones y horizontes: de la dependencia histórico-estructural a la colonialidad/descolonialidad del poder. Buenos Aires: CLACSO, 2014.

MAY, Roy H. Ética y médio ambiente: hacia una vida sostenible. 2. ed. San José, Costa Rica: DEI, 2004.

MIES, María. La necesidad de un nuevo proyecto: el planteamiento de subsistencia. In: MIES, María; SHIVA, Vandana. La praxis del ecofeminismo: biotecnología, consumo, reproducción. Traducción de Mireia Bofill y Daniel Aguilar. Barcelona: Icaria Antrazyt, 1998.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

MUNANGA, Kabengele. Considerações sobre o debate nacional a respeito do multiculturalismo na escola e das cotas no Ensino Superior. Universidade e Sociedade Brasília, v. XX, p. 35-44, 2010.

SAID, Edward. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. Tradução de Tomás Rosa Bueno. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil. 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Racismo no Brasil. 2. ed. São Paulo: Publifolha, 2013.

SEGATO, Rita Laura. Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial. E-cadernos, CES, v. 18, 2012.

SHIVA, Vandana. Monoculturas da mente: perspectivas da biodiversidade e da biotecnologia. São Paulo: Gaia, 2003.

TAYLOR, Charles et al. Multiculturalismo: examinando a política de reconhecimento. Tradução de Marta Machado. Lisboa: Instituto Piaget, 1998.

TODOROV, Tzvetan. A conquista da América: a questão do outro. Tradução de Beatriz Perrone Moi. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

WIEVIORKA, Michel. Será que o multiculturalismo é a resposta? Educação, Sociedade e Culturas, n.12, p. 7-46, 1999.

ZEA, Leopoldo. Discurso desde a marginalização e a barbárie. Tradução de Luis Gonzalo Acosta Espejo e Maurício Delamro. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

Recebido: 14/8/2020 - Aceito: 28/01/2021

Downloads

Publicado

2022-01-06

Como Citar

Carvalho, G. P. de. (2022). Pensamento pós-colonial, gênero e poder em María Lugones: multiplicidade ontológica e multiculturalismo. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 45, 311–338. https://doi.org/10.1590/0101-3173.2022.v45esp.16.p311