Religião, vida e sociedade

breve estudo a partir de Bergson e Freud

Autores

  • Geovana da Paz Monteiro Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-3173.2021.v44n3.14.p151

Palavras-chave:

Bergson, Freud, Religião, Moral, Vida, Sociedade

Resumo

O artigo visa indagar em que medida a religiosidade, observada a partir de seu contexto originário, seria um dos meios encontrados pela civilização para abafar impulsos humanos primários tendentes à desagregação social e moral. A despeito dessa tentativa de controle, questionamos o quanto tais impulsos ditos primitivos prevalecem em nossa constituição biológica, psíquica e social de modo a justificarem comportamentos aberrantes tão comuns em nossa época. Partiremos das ideias de Henri Bergson, apresentadas no segundo capítulo d’As duas fontes da moral e da religião, intitulado “A religião estática” em cotejo aos argumentos de Sigmund Freud apresentados, sobretudo, em O futuro de uma ilusão e Totem e tabu. Apesar da aproximação com as ciências sociais, seguiremos a hipótese de que o livro de Bergson nutre um diálogo mais fecundo com a teoria freudiana no que tange à compreensão da religiosidade dita primitiva em oposição, ou não, à civilizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Geovana da Paz Monteiro, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Doutora em Filosofia. Professora Adjunta de Filosofia da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Amargosa, BA – Brasil.

Referências

BERGSON, H. A evolução criadora [1907]. São Paulo: Martins Fontes, 2005a.

BERGSON, H. As duas fontes da moral e da religião [1932]. Coimbra: Almedina, 2005.

CAEYMAEX, F. À propos de l’émotion creatrice. Vie, instituition et histoire dans Les deux sources. In: FRANÇOIS, A.; RIQUIER, C. Annalles bergsoniennes VIII: Bergson, la morale, les émotions. Paris: PUF, 2017.

DELECROIX, V. La religion comme répétition. Bergson à la lumière de Freud. In: SITBON, B. Bergson et Freud. Paris: PUF, 2014. p. 99-119.

DELITZ, H. L’impact de Bergson sur la sociologie et ethnologie françaises. Revue l’anée sociologique, Paris, v. 62, n. 1, p. 41-65, 2012.

FRANÇOIS, A. La division de la vie. Création, conservation et pulsion de mort chez Bergson et Freud. In: SITBON, B. Bergson et Freud. Paris: PUF, 2014. p. 121-139.

FREUD, S. Formulações sobre os dois princípios do funcionamento psíquico [1911]. In: FREUD, S. Obras completas, v. 10. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

FREUD, S. Totem e tabu [1913]. In: FREUD, S. Obras completas, v. 11. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

FREUD, S. Introdução ao narcisismo [1914]. In: FREUD, S. Obras completas, v. 12. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

FREUD, S. As pulsões e seus destinos [1915]. Belo Horizonte: Autêntica, 2013 (Obras incompletas de Sigmund Freud).

FREUD, S. O futuro de uma ilusão [1927]. In: FREUD, S. Obras completas, v. 17. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

FREUD, S. O mal-estar na civilização [1930]. In: FREUD, S. Obras completas, v. 18. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

GOUHIER, H. Bergson et le Christ des Évangiles. Paris: Vrin, 1999.

LÉVY-STRAUSS, C. O totemismo hoje. Petrópolis: Vozes, 1975.

MEZAN, R. Freud pensador da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1986.

PINTO, D. M. A análise bergsoniana do social entre natureza e cultura: psicologia, biologia e filosofia moral à luz da duração. Dissertatio, v. supl. 4, dez. 2016.

ROBINET, A. Bergson et l’indien Sioux. Revue Internationale de Philosophie, v. 2, n. 177, p. 97-107, 1991.

SITBON-PEILLON. B. Religion, méthaphysique et sociologie chez Bergson: une expérience integrale. Paris: PUF, 2009.

WINOGRAD, M. Freud e a filogenia anímica. Revista do Departamento de Psicologia – UFF, v. 19, n. 1, p. 69-82, jan./jun. 2007.

WORMS, F. Le vocabulaire Bergson. Paris: Ellipses, 2000.

WORMS, F. Bergson ou les deux sens de la vie. Paris: Quadrige/PUF, 2004.

Recebido: 13/7/2020

Aceito: 11/9/2020

Downloads

Publicado

2021-08-20 — Atualizado em 2021-08-27

Como Citar

Monteiro, G. da P. (2021). Religião, vida e sociedade: breve estudo a partir de Bergson e Freud. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 44(3), 151–176. https://doi.org/10.1590/0101-3173.2021.v44n3.14.p151

Edição

Seção

Artigos e Comentários