Comentário - Walter Benjamin, surrealismo e Zen

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-3173.2020.v43n2.04.p71

Palavras-chave:

Walter Benjamin

Resumo

Como Francisco Pinheiro Machado enfatiza, em seu artigo, o movimento surrealista se colocou num ataque frontal contra a lógica cartesiana, a moralidade burguesa e o racionalismo. Para isso, adotou determinados procedimentos, a fim de conseguir desvencilhar-se das formas de pensamento da cultura ocidental. Os ensinamentos de Freud, assim como as teorias de Einstein, ajudaram o movimento a esquivar-se das ideias de causalidade e de onipotência da consciência. Assim, os surrealistas colocaram em seu lugar, conforme consta no Manifesto de Breton, os sonhos, a loucura, a imaginação e a intuição, como caminhos para acessar os aspectos mais recônditos e sombrios da mente humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sônia Campaner Miguel Ferrari, PUCSP

Professora do departamento de Ciências da Linguagem e Filosofia da PUCSP.

Downloads

Publicado

2020-06-30

Edição

Seção

Artigos/Articles