O conatus imaginativo em Espinosa:

a produção da contingência e da ideia de finalidade

Autores

  • Juarez Lopes Rodrigues Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

conatus; liberdade, paixões; afetos; possível; contingente; Espinosa.

Resumo

O escopo desse artigo é explicitar a lógica da produção das paixões através do conatus imaginativo em Espinosa. Essa lógica envolve a compreensão dos afetos primitivos de alegria, tristeza e desejo que irão compor as paixões pelas quais somos determinados a pensar e agir, e ao mesmo tempo, produzem a ilusão da liberdade de escolha indeterminada. Veremos como essa lógica do conatus imaginativo, ao sofrer a flutuação do ânimo, produzirá as modalidades de contingente e possível que são responsáveis pela ilusão da escolha indeterminada, isto é, da vontade livre. Tentaremos demonstrar que a experiência da liberdade como poder dos contrários pela qual os homens acreditam determinar os fins pelos quais o apetite/desejo se modifica em paixões reduz-se à experiência da flutuação do ânimo. Essa ilusão da liberdade indeterminada surge porque os homens desconhecem a sua essência (conatus) de maneira adequada, fato que os leva a identificar as causas eficientes da produção dos afetos como causas finais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juarez Lopes Rodrigues, Universidade de São Paulo

Universidade de São Paulo. Departamento de Filosofia. Filosofia Moderna.

Referências

ALQUIÉ, F. Le rationalisme de Spinoza. Paris: PUF, 1981.

ESPINOSA, B. Ética. Tradução do Grupo de Estudos Espinosanos; coordenação de Marilena Chauí. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2015.

CHAUÍ, M. A Nervura do real II: imanência e liberdade em Espinosa. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

DRIEUX, P. Perception et sociabilité: La communication des passions chez Descartes et Spinoza. Paris: Classiques Garnier, 2014.

ISRAËL, N. Spinoza. Le temp de la vigilance. Paris: Payot, 2001.

JAQUET, C. Spinoza à l’œuvre: composition des corps et force des idées. Paris: Publications de la Sorbonne, 2017.

MACHEREY, P. Introduction à l’Éthique de Spinoza. 5 v. Paris: PUF, 1994-1998.

MATHERON, A. Individu e communauté chez Spinoza. Paris: Les Éditions de Minuit, 1988.

RODRIGUES, J. L. Identidade entre ideia e volição na Ética de Espinosa. Cadernos Espinosanos, São Paulo, v. 1, n. 31, p. 89-116, 2014.

Recebido: 16/6/2020 - Aceito: 15/7/2020

Publicado

2021-04-22 — Atualizado em 2022-06-29

Como Citar

Rodrigues, J. L. (2022). O conatus imaginativo em Espinosa: : a produção da contingência e da ideia de finalidade. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia Da Unesp, 44(1), 205–224. Recuperado de https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/10355

Edição

Seção

Artigos e Comentários