CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA DE PIAGET PARA ALÉM DA ADOLESCÊNCIA: O FAZER E O COMPREENDER NAS SIGNIFICAÇÕES DE UNIVERSITÁRIOS NA RESOLUÇÃO DO JOGO TORRE DE HANÓI

Autores

  • Leandro Augusto dos Reis Docente do Departamento de Música e Teatro na Universidade Estadual de Londrina (UEL)
  • Francismara Neves de Oliveira Docente do Departamento de Educação na Universidade Estadual de Londrina (UEL)
  • Orlando Mendes Fogaça Jr Docente do Departamento de Estudos do Movimento Humano da Universidade Estadual de Londrina (UEL)
  • Lilian Alves Pereira Peres Docente do Departamento de Pedagogia da Universidade Estadual de Maringá (UEM)
  • Jamille Mansur Lopes Graduanda em Pedagogia pela Universidade Estadual de Londrina (UEL)
  • Eglin Ribeiro dos Santos Mestranda do Programa de Pós-graduação em Educação pela Universidade Estadual de Londrina (UEL)

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-1655.2021.v13n2.p28-62

Palavras-chave:

Fazer e Compreender, Tomada de Consciência, Jogo Torre de Hanói, Ensino Superior

Resumo

Este estudo se pautou nos princípios do método clínico-crítico piagetiano (CARRAHER, 1983; DELVAL, 2002), tendo como foco a abordagem microgenética (INHELDER; CELLÉRIER et al., 1996). A microgênese, como desdobramento do método clínico-crítico, enfatiza os processos funcionais que estão em curso na resolução dos problemas. Refere-se ao funcionamento e aos processos em construção manifestos nas ações do sujeito, para além do estudo das estruturas que organiza e dirige o pensamento, o qual Piaget se dedicou. Esta pesquisa se propôs investigar as significações de universitários acerca do processo da to-mada de consciência das ações e das relações entre a conceituação e ação material na resolução do jogo Torre de Hanói. Os participantes da pesquisa foram quatro acadêmicos da 1ª a 4ª série do curso de Licenciatura em Música de uma Universidade pública do Estado do Paraná. Na análise dos dados levou-se em conta as significações dos sujeitos quanto à tomada de consciência das ações e das relações entre a conceituação e ação material, seja no plano do saber fazer e do compreender (PIAGET, 1977; 1978). Todos os participantes resolveram a situação-problema imposta pelo material da Torre de Hanói, porém com graus diferentes de resolução. Dois participantes obtiveram sucesso imediato na resolução das torres com dois e três discos. No caso da torre com quatro discos, um dos sujeitos obteve êxito parcial e o outro obteve êxito pleno. Já na torre com cinco discos, apenas um participante obteve êxito pleno. Desse modo, constata-se que o jogo se complexifica à medida que os discos são acrescidos às torres. Compreende-se que as instituições de ensino, sejam elas de educação básica ou superior, são espaços fundamentais de socialização. Por essa razão, podem apropriar-se de tais conhecimentos como um dos pontos de partida para a reflexão e reestruturação de suas práticas pedagógicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARTELMEBS, Roberta Chiesa et al. Modelos de significação sobre conteúdos de astronomia: considerações acerca de um estudo com professores de ciências da educação básica. Schème – Revista Eletrônica de Psicologia e Epistemologia Genéticas. 2019. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/scheme/article/view/9736. Acesso em: 18 jan. 2021.

BIANCHINI, Luciane G. Batistella. Significações e sentimentos sobre o erro: alunos que frequentam a sala de apoio à aprendizagem. 2014. Tese (Doutorado em Psicologia) - Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Assis, SP, 2014.

BECKER, Fernando. Educação e construção do conhecimento. Porto Alegre: Artmed: 2001.

CANAL, Cláudia Patrocínio Pedroza; MACHADO, Renata da Silva. Cognição e cooperação entre jovens adultos em um jogo de tabuleiro cooperativo. Schème – Revista Eletrônica de Psicologia e Epistemologia Genéticas. 2018. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/scheme/article/view/8626. Acesso em: 18 jan. 2021.

CARRAHER, Terezinha Nunes. O método clínico: usando os exames de Piaget. São Paulo: Pioneira, 1983.

DELVAL, Juan. Introdução à prática do método clínico: descobrindo o pensa-mento das crianças. Porto Alegre: Artmed, 2002.

DELVAL, Juan. Crescer e pensar: a construção do conhecimento na escola. Trad. Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

DURO, Mariana Lima; BECKER, Fernando. Análise Combinatória: do método aleatório à combinatória sistemática. Educação & Realidade. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2175-62362015000300859&lang=pt. Acesso em: 18 jan. 2021.

FREIRE, Julise Carvalho; OLIVEIRA, Francismara Neves de. Conhecimento so-cial em Piaget: um estudo sobre noções de greve. Psicologia Escolar e Educacio-nal. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572018000300503&lang=pt. Acesso em: 18 jan. 2021.

FRISANCHO, Susana; RAMOS, Enrique Delgado. Razonamiento sobre dere-chos humanos y prácticas culturales en tres adultos de comunidades indígenas del Perú. Schème – Revista Eletrônica de Psicologia e Epistemologia Genéticas. 2014. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/scheme/article/view/4278. Acesso em: 18 jan. 2021.

GUILHERMINO, Carolina Souza; SILVA, Dener Luiz da. Representação imagética de deus em crianças, adolescentes e jovens adultos: investigações a partir da psicologia genética. Schème – Revista Eletrônica de Psicologia e Epistemologia Genéticas. 2020. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/scheme/article/view/11377. Acesso em: 18 jan. 2021.

INHELDER, Bärbel; CELLÉRIER, Guy et al. O desenrolar das descobertas da criança: em estudo sobre as microgêneses cognitivas. Trad. Eunice Gruman. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

INHELDER, Bärbel; CAPRONA, Denys de. Rumo ao construtivismo psicológico.: Estruturas? Procedimentos? Os dois “indissociáveis”. In: INHELDER, Bär-bel; CELLÉRIER, Guy et al. O desenrolar das descobertas da criança: em estudo sobre as microgêneses cognitivas. Trad. Eunice Gruman. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

MACEDO, Lino de; PETTY, Ana Lúcia Sícoli; PASSOS, Norimar Christe. Os jogos e o lúdico na aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed Editora, 2005.

MORENO, A. Autorregulación y solución de problemas: um punto de vista psicogenético. Infancia y Aprendizage, Madri, n. 72, p. 51-70, 1995.

NASCIMENTO, Mariana Costa do. A tomada de consciência como possibilida-de de proteção dos idosos: uma experiência pedagógica com o jogo quarto na Unati/Uem. 2016. 170 p. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, 2016.

OLIVEIRA, Francismara Neves. Um estudo das interdependências cognitivas e sociais em escolares de diferentes idades por meio do jogo xadrez simplificado. 2005. 337 p. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP, Campinas.

ORTEGA, Antônio Carlos; FIOROT, Meire; SILVA, L. C. M. O jogo Torre de Hanói em um contexto psicogenético. Acta Scientiarum, Maringá, v. 24, n. 1, p. 151-158, 2002.

PEREIRA, Lilian Alves. Prevenção de dificuldades na construção do espaço topológico por meio de intervenção pedagógica com ênfase na área psicomotora e tomada de consciência com alunos da educação infantil. 2009. 145 p. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, 2009.

PIAGET, Jean. Seis estudos de psicologia. Rio de Janeiro: Forense, 1967.

______, Jean. Biologia e conhecimento: ensaio sobre as relações entre as regulações orgânicas e os processos cognoscitivos. Petrópolis: Vozes, 1973.

______, Jean. A Tomada de Consciência. Trad. Edson Braga de Souza. São Pau-lo: Melhoramentos, Editora da Universidade São Paulo, 1977.

______, Jean. Fazer e Compreender. São Paulo: Melhoramentos, 1978.

______, Jean. A representação do mundo na criança. Rio de Janeiro: Record, 1987.

______, Jean. O possível e o necessário: evolução dos necessários na criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1986.

______, Jean. As formas elementares da dialética. Trad. Fernanda Mendes Luiz. Coordenação Lino de Macedo. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1996.

PIAGET, Jean; GARCIA, Rolando. Hacia una lógica de significaciones. México: Gedisa, 1989.

RESENDE, Augusto Cezar Romero. Área profissional e processo de tomada de consciência: análise microgenética do jogo Torre de Hanói. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2004.

ROSSETTI, Claudia Broetto et al. Aspectos cognitivos e metacognitivos do raciocínio de universitários com queixa de dificuldades de aprendizagem. Schème – Revista Eletrônica de Psicologia e Epistemologia Genéticas. 2012.

Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/scheme/article/view/2329. Acesso em: 18 jan. 2021.

SALADINI, Ana Cláudia. Da Ação à Reflexão: O Processo de Tomada de Cons-iência. Schème – Revista Eletrônica de Psicologia e Epistemologia Genéticas. Volume I, nº 2, Jul.-Dez. 2008.

SALADINI, Ana Cláudia; FOGAÇA JR., Orlando Mendes. A tomada de consci-ncia: um saber docente. In: Anais do XII Congresso Nacional de Educação – EDUCERE. PUCPR, 2015, p. 12129-12141. Disponível em:

https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/19524_8530.pdf. Acesso em: 18 jan. 2021.

SILVA, João Alberto da; FREZZA, Júnior Saccon. Aspectos metodológicos e constitutivos do pensamento do adulto. Educar em Revista. 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602011000100013&lang=pt. Acesso em: 18 jan. 2021.

TEIXEIRA, Leny Rodrigues Martins. Permutação, quantificação de probabilidades e Torre de Hanói: análise comparativa em escolares de 2o grau. 1982. 173 f. Tese (Doutorado em Psicologia). Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1982.

TORRES, M. Z.; MACEDO, Lino de. Uma análise construtivista da cópia e do raciocínio na Torre de Hanói. Revista Psicogenética, São Paulo, v. 13, n. 30, p. 29-32, 1994.

Downloads

Publicado

2021-12-01

Edição

Seção

Artigos