Aspectos cognitivos e metacognitivos do raciocínio de universitários com queixa de dificuldades de aprendizagem

Autores

  • Claudia Broetto Rossetti Universidade Federal do Espírito Santo
  • Milena Fiorim de Lima Lemos Universidade Federal do Espírito Santo
  • Simone Chabudee Pylro Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo/Faculdade Brasileira
  • Sirley Trugilho da Silva Universidade Federal do Espírito Santo

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-1655.2012.v4n2.p91-128

Palavras-chave:

Pensamento operatório formal. Método clínico. Universitários. Dificuldades de aprendizagem. Metacognição.

Resumo

O estudo propôs-se questionar quanto a possibilidade de se estabelecer correlações entre o desenvolvimento de certas noções operatórias, metacognição e dificuldades de aprendizagem em universitários em cursos da área de exatas. Entrevistamos cinco estudantes de engenharia de uma instituição pública de ensino superior do Espírito Santo. Todos frequentavam um programa de reforço escolar de uma das disciplinas básicas do núcleo comum das engenharias, oferecido pela instituição aos educandos com queixa de dificuldade de aprendizagem. Aplicamos a prova de flutuação de corpos, uma prova de correlação, e uma entrevista semiestruturada. Foi realizada uma análise do conteúdo tanto das provas quanto das entrevistas, através de uma adaptação das metodologias de análise já utilizadas e baseadas nos princípios da epistemologia genética. Os resultados indicaram, entre outros, que nenhum dos participantes atingiu o nível mais elevado nas respostas, que equivaleria à aplicação plena do raciocínio operatório formal; isso poderia justificar as dificuldades acadêmicas enfrentadas pelos participantes. Por outro lado, foi muito marcante a relativa ausência ou pouca variedade de estratégias de aprendizagem mencionadas pelos universitários pesquisados. O método clínico mostrou-se mais uma vez eficiente para o estudo da cognição de adultos, mas ainda carecemos de mais sistematizações quanto à análise dos resultados especialmente no que se refere à identificação e análise de modelos organizadores do pensamento. O presente estudo, mesmo exploratório e com as limitações devidas a tal característica, reforça a necessidade de que as instituições de ensino superior devam focar não somente a transmissão de conteúdos em suas políticas de permanência do estudante, mas também principalmente considerar aspectos psicossociais e de funcionamento cognitivo do adulto para poder atender com eficiência a essa questão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUIAR, M. C. A.. A formação dos conceitos de fração e de proporcionalidade
a partir da Teoria Piagetiana. Psicologia ciência e profissão, Brasília, v. 3, n. 2, p.
87-97, 1983.
ANDRADE, A. N. Vozes do silêncio: juízos morais de jovens e adultos surdos
sobre situações de humilhação. 2006. 228 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2006.
BARROS, A. M. C. M. O Processo de Abstração em Estudantes Universitários. 1999.
759 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social), Universidade Gama Filho,
Rio de Janeiro, 1999.
BORUCHOVITCH, E. Estratégias de aprendizagem e desempenho escolar: considerações para a prática educacional. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre,
v. 12, n. 2, p. 361-367, 1999.
BOVET, M. Explicações e mudanças em adultos. In: MORENO, M.; SASTRE, G.;
BOVET, M. e LEAL, A. Conhecimento e Mudança: Os modelos organizadores na
construção do conhecimento. São Paulo: Editora Moderna e Editora da Unicamp, 1999, p. 287-323.
CAMARGO, D. A. F. de. Desempenho operatório e desempenho escolar. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 74, p. 47-56, 1990.
CIRINO, M. M. A intermediação da noção de probabilidade na construção de conceitos
relacionados à cinética química no ensino médio. 2007. 201 f. Dissertação (Mestrado
em Ensino de Ciências e Matemática) – Faculdade de Ciências de Bauru, Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP, 2007.
DELVAL, J. Introdução à prática do método clínico: descobrindo o pensamento das
crianças. Porto Alegre: Artmed, 2002.
EICHLER, M.L. Modelos causais de adolescentes e de adultos para as mudanças de
estado e a transformação química da matéria. 2004. 362 f. Tese (Doutorado em Psicologia) - Programa de Pós-graduação em Psicologia do Desenvolvimento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.
FLAVELL, J. Metacognitive aspects of problem solving. In. RESNICK, L. (org.)
The Nature of Intelligence. Hillsdale, New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates,
1976. p. 231-235.
Volume 4 Número 2 – Ago-Dez/2012 127
www.marilia.unesp.br/scheme
ISSN: 1984-1655
LEGENDRE, M. Contribuição do modelo da equilibração para o estudo da aprendizagem no adulto. IN: DANIS, C.; SOLAR, C. (Org.) Aprendizagem e desenvolvimento dos adultos. Lisboa: Horizontes Pedagógicos, 1998. p. 155-216.
MARCHAND, H. Em torno do pensamento pós-formal. Análise Psicológica, Lisboa, v. 20, n. 2, p. 191-202, 2002.
MARINÓN, M. M. As explicações sobre a flutuação. In: MORENO, M.; SASTRE, G.; BOVET, M. e LEAL, A. Conhecimento e Mudança: Os modelos organizadores na construção do conhecimento. São Paulo: Editora Moderna e Editora da
Unicamp, 1999, p.107-161.
MLODINOW, L. O andar do bêbado. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.
MORENO, M.; SASTRE, G.; BOVET, M. e LEAL, A. Conhecimento e Mudança –
Os modelos organizadores na construção do conhecimento. Editora Moderna e
Editora da Unicamp: São Paulo, 1999.
PASCUAL, J. G.; NASCIMENTO, N. A. Estruturas cognitivas formais: reflexões
sobre o acesso à Universidade. Revista Metáfora Educacional, n. 8, jun., p. 15-29,
2010.
PIAGET, J. A teoria de Piaget. In: CARMICHAEL, L. Manual da psicologia da criança – Desenvolvimento Cognitivo I. Vol. 4. São Paulo: EPU/Edusp, 1977, p. 70-
115.
PIAGET, J. Intellectual evolution from adolescence to adulthood. Extract des Actes de
la 3ème convention international FONEME sur l’éducation humaine de
l’adolescence a l’âge adulte. p.157-164, 1972. Disponível em
<http://www.fondationjeanpiaget.ch/fjp/site/textes/VE/JP70_Evolut_Intelle
ct_Adoles_Adulte.pdf>. Acesso em: 04 abr. 2011.
PIAGET, J.; INHELDER, B. A origem da idéia do acaso na criança. Rio de janeiro:
Record, 1951.
PIAGET, J.; INHELDER, B. A psicologia da criança. São Paulo: DIFEL, 1974.
PIAGET, J.; INHELDER, B. Da Lógica da Criança à Lógica do Adolescente. São Paulo: Pioneira, 1976.
QUEIROZ, S. S. de. Tipificação de erros em um jogo de regras: uma abordagem
construtivista. 1995. 293 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Programa de
Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Espírito Santo, 1995.
Volume 4 Número 2 – Ago-Dez/2012 128
www.marilia.unesp.br/scheme
ISSN: 1984-1655
SANTOS, C. C; ROSSETTI, C. B.; ORTEGA, A. C. O funcionamento cognitivo de
idosos e de adolescentes num contexto de jogo de regras. Revista Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento, Porto Alegre, v. 9, p. 53-74, 2006.
SARAVALI, E. G. A psicopedagogia na educação superior: contribuições da
teoria piagetiana. Revista da Associação Brasileira de Psicopedagogia, São Paulo, v.
22, n. 69, p. 243-253, 2005a.
SARAVALI, E. G. Dificuldades de aprendizagem no ensino superior. ETD –
Educação Temática Digital, Campinas, v.6, n.2, p.99-127, 2005b.
SILVA, J. A. Modelos de Significação e pensamento lógico-matemático: um estudo
sobre a influência dos conteúdos na construção da inteligência. 2009. 167 f. Tese
(Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. RS, 2009.
SILVA, J. A. da; FREZZA, J. S. Aspectos metodológicos e constitutivos do pensamento do adulto. Educar em revista, Curitiba, n. 39, Abril, 2011. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-
40602011000100013&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 11 jun. 2011.
TAVARES, J. et al . Atitudes e estratégias de aprendizagem em estudantes do
Ensino Superior: estudo na Universidade dos Açores. Análise Psicológica, Lisboa,
v. 21, n. 4, out. 2003 . Disponível em
<http://www.scielo.gpeari.mctes.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-
82312003000400006&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 06 jun. 2012.
TEIXEIRA, M. Interação social e tomada de consciência a partir do desenho de adultos.
2008. 284f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Setor de Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008.

Downloads

Publicado

2013-01-15

Edição

Seção

Artigos