Interações Sociais e Rupturas Observadas Através dos Estudos Informacionais

o contexto de travestis e mulheres transexuais brasileiras

Autores

  • Marcela Aguiar da Silva Nascimento Universidade Federal do Espírito Santo
  • Marta Leandro da Mata Universidade Federal do Espírito Santo
  • Sra. Gleice Pereira Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

DOI:

https://doi.org/10.36311/1981-1640.2021.v15.e02115

Palavras-chave:

Comportamento Informacional., práticas informacionais, contexto sociocultural, Travestis, Mulheres transexuais

Resumo

No âmbito dos estudos de usuários da informação, se compreende que as perspectivas sobre o comportamento informacional e as práticas informacionais são significativas para pesquisas voltadas à população LGBTQIA+. Nesse sentido, o objetivo deste artigo é descrever o comportamento informacional e as práticas informacionais de travestis e mulheres transexuais brasileiras, considerando seus aspectos sociais, culturais e políticos. A metodologia adotada se constitui em um levantamento bibliográfico que aborda os estudos de usuários da informação e os aspectos contextuais de travestis e mulheres transexuais em território nacional. Os dados coletados são analisados a partir de uma abordagem qualitativa, estabelecendo uma breve revisão de literatura. Os resultados demonstram que a ocorrência das necessidades de informação são desenvolvidas em coletividade. As redes sociais digitais se mostram fortes ferramentas nas buscas e nas trocas de informação. O uso e o compartilhamento da informação são direcionados à difusão de informações sobre travestilidade e transexualidade para a sociedade civil. Conclui-se que é notória a urgência de mais estudos voltados a esse público, visto que o contexto no qual as identidades dissidentes estão situadas influencia em seus processos relacionados às necessidades, busca, acesso, apropriação, uso e disseminação da informação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcela Aguiar da Silva Nascimento, Universidade Federal do Espírito Santo

Mestranda do Programa de Pós-Graduação  em Ciência da Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Marta Leandro da Mata, Universidade Federal do Espírito Santo

Professora do Departamento de Biblioteconomia e do Programa Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Doutora em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP).

Sra. Gleice Pereira, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Professora do Departamento de Biblioteconomia e do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Doutora em Ciência da
Informação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Referências

Araújo, C. A. A. “Paradigma social nos estudos de usuários da informação: abordagem interacionista.” Informação & Sociedade, vol. 22, no. 1, jan.-abr. 2012, pp. 145-159, http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/9896. Acessado 30 jul. 2019.

Araújo, C. A. A. “Estudos de usuários da informação: comparação entre estudos de uso, de comportamento e de práticas a partir de uma pesquisa empírica”. Inf. Pauta, vol. 1, no. 1, jan.-jun. 2016, pp. 61-78, doi:10.32810/2525-3468.ip.v1i1.2016.2970. Acessado 30 jul. 2019.

Bagagli, B. P. A retirada da transexualidade da classificação de doenças e o sofrimento psíquico. 3 jul. 2018, https://transfeminismo.com/a-retirada-da- transexualidade-da-classificacao-de-doencas-e-o-sofrimento-psiquico/. Acessado 30 jul. 2019.

Barreto, A. A. “A questão da informação”. São Paulo em Perspectiva, vol. 8, no. 4, 1994.

Bento, B., and Pelúcio, L. “Despatologização do gênero: a politização das identidades abjetas.” Revista Estudos Feministas, vol. 20, no. 2, maio. 2012, pp. 569-581, doi:10.1590/S0104-026X2012000200017. Acessado 30 jul. 2019.

Berti, I. C. L. W., and Araújo, C. A. A. “Estudos de Usuários e Práticas Informacionais: do que estamos falando?.” Informação & Informação, vol. 22, no. 2, out. 2017, pp. 389-401, doi:10.5433/1981-8920.2017v22n2p389. Acessado 30 jul. 2019.

Capurro, R. Epistemologia e ciência da informação. Anais do 5º Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação: Belo Horizonte, ANCIB, 2003.

Carvalho, M. F. L., and Carrara, S. “Em direção a um futuro trans? Contribuição para a história do movimento de travestis e transexuais no Brasil.” Sexualidad, Salud y Sociedad - Revista Latinoamericana, no. 14, 2013, pp. 319-351, https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/SexualidadSaludySociedad/article/viewFile/6862/4940. Acessado 30 jul. 2019.

Conselho Nacional de Justiça (Brasil). Provimento n° 73, de 29 de junho de 2018, Brasília, DF, https://www.conjur.com.br/dl/cnj-regulamenta- alteracoes-nome-sexo.pdf. Acessado 30 jul. 2019.

Dervin, B. An overview of sense-making research: concepts, methods and results to date. International Communications Association Annual Meeting: Texas, 1983.

Ferreira, R. S. “A informação social no corpo travesti (Belém, Pará): uma análise sob a perspectiva de Erving Goffman.” Ciência da Informação, vol. 38, no. 2, maio/ago. 2009, pp. 35-45, scielo.br/pdf/ci/v38n2/03.pdf. Acessado 28 jul. 2021.

Ferreira, E. G. A., et al. A construção do conceito de Práticas Informacionais pelos pesquisadores do EPIC. Informação em Pauta, vol. 4, pp. 26-43, maio. 2019. Número especial, http://www.periodicos.ufc.br/informacaoempauta/article/view/41077. Acessado 30 jul. 2019.

Krikelas, J. “Information seeking behavior: patterns and concepts”. Drexel library Quaterly, vol. 19, no. 2, 1983, pp. 5-20.

Kuhlthau, C. C. “Inside the search process: information seeking from the user’s perspective.” Journal of the American Society for Information Science, vol. 42, no. 5, 1991, pp. 361-371.

Joas, H. “Interacionismo simbólico”. Teoria Social Hoje. Org. por Anthony Giddens, e Jonathan Turner. Editora Unesp, 1987, pp. 127-174.

Nascimento, M. N. A., and MATA, M . L. “Comportamento informacional de travestis multiplicadoras: a reconstrução da cidadania por meio da informação”. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, vol. 16, 2020, pp. 1-24, https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/1308. Acessado 07 nov. 2020.

Peres, W. S. “Biossociabilidade contemporânea e a expressão travesti.” Revista de Psicologia da UNESP, vol. 1, no. 1, 2002, pp. 8-17, http://seer.assis.unesp.br/index.php/psicologia/article/view/985/908. Acessado 30 jul. 2019.

Pinto, E M. Informação e transgeneridade: o comportamento informacional de mulheres transgêneras e as percepções da identidade de gênero, 2018, http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/32044/1/2018_EltonM%C3%A1rtiresPinto.pdf. Universidade de Brasília, Dissertação. Acessado 3 mar. 2020.

Righetto, G. G. Competência em informação de minorias sociais: pessoas trans da região de Florianópolis, Santa Catarina, 2018, http://150.162.242.35/bitstream/handle/123456789/186804/PCIN0174-D.pdf?sequence=-1&isAllowed=y. Universidade Federal de Santa Catarina, Dissertação. Acessado 30 jul. 2019.

Rocha, J. A. P., and Gandra, T K. “Práticas informacionais: elementos constituintes.” Informação & Informação, vol. 23, no. 2, set. 2018, pp. 566-595, doi:10.5433/1981-8920.2018v23n2p566. Acessado 30 jul. 2019.

Sampaio, D. B., et al. Estratégias fact-checking no combate às fake news: análises informacional e tecnológica no e-farsas e boatos.org. Anais do 19º Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação: Londrina, ANCIB, 2018, http://enancib.marilia.unesp.br/index.php/XIXENANCIB/xixenancib/paper/viewFile/1325/15 30. Acessado 30 jul. 2019.

Saracevic, T. “Ciência da informação: origem, evolução e relações”. Perspectivas em Ciência da Informação, vol. 1, no. 1, jan.-jun. 1996, pp. 41-62, http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/235/22. Acessado 30 jul. 2019.

Silva, L. F. Práticas informacionais: LGBTQI+ e empoderamento no Espaço LGBT, 2019, https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/123456789/16342/1/Arquivototal.pdf. Universidade Federal da Paraíba, Dissertação. Acessado 3 mar. 2020.

Silva, L. F., and Côrtes, G. R. Práticas informacionais: o perfil de mulheres transexuais e travestis no espaço LGBT. Anais do 19º Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação: Londrina, ANCIB, 2018, http://enancib.marilia.unesp.br/index.php/XIXENANCIB/xixenancib/paper/viewFile/1478/1554. Acessado 30 jul. 2019.

Taylor, R. S. “Information use environments.” Progress in communication sciences. Edited by Brenda Dervin and Melvin. ABLEX, vol. 10, 1991. pp. 217-225.

WHO: Revision of ICD-11 (gender incongruence/transgender) – questions and answers (Q&A). [S. l.: s. n.], 2018. 1 vídeo (3 min). Publicado pelo canal World Health Organization (WHO). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=kyCgz0z05Ik. Acessado 30 jul. 2019.

Wilson, T. D. “On user studies and information needs.” Journal of Documentation, vol. 37, no. 1, 1981, pp. 3-15.

Wilson, T. D., and Walsh, C. Information behaviour: an interdisciplinary perspective. Sheffield: Department of Information Studies, 1996.

Zanela, M. “Acesso à informação para construção da cidadania: resoluções do nome social como estratégia de inclusão”. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, vol. 14, 2018, pp. 367-396, https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/795/1058. Acessado 28 jul. 2021.

Downloads

Publicado

2021-07-29

Como Citar

Nascimento, M. A. da S. ., M. L. da Mata, e G. Pereira. “Interações Sociais E Rupturas Observadas Através Dos Estudos Informacionais: O Contexto De Travestis E Mulheres Transexuais Brasileiras”. Brazilian Journal of Information Science: Research Trends, vol. 15, julho de 2021, p. e02115, doi:10.36311/1981-1640.2021.v15.e02115.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)