Biblioteca prisional

um espaço heterotópico

Autores

  • Amabile Costa Universidade Federal de Santa Catarina
  • Rodrigo de Sales Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.36311/1940-1640.2021.v15n.11298

Palavras-chave:

Biblioteca prisional, Heterotopia, Espaços de privação de liberdade, Agente do devir

Resumo

O presente artigo procura evidenciar as bibliotecas prisionais como espaços heterotópicos, a partir do conceito proposto por Michel Foucault e, também, como agentes do devir. Neste sentido, o questionamento está centrado em verificar a aproximação entre as bibliotecas no cárcere com o conceito de heterotopia de Foucault, tendo como objetivo geral relacionar tais bibliotecas com a ideia de heterotopia. Trata-se de um exercício de reflexão teórica caracterizado como um estudo exploratório e de natureza qualitativa. Relativo à abordagem metodológica, buscou-se colocar lado a lado os aspectos que caracterizam as bibliotecas prisionais e os princípios que definem a concepção de heterotopia, de modo a destacar os traços característicos que permitem vislumbrar que tais bibliotecas são potenciais espaços heterotópicos. Conclui-se que as bibliotecas em ambientes prisionais são potentes espaços de devires e condizentes àquilo que podemos considerar um espaço heterotópico.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo de Sales, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor Adjunto do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal de Santa Catarina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Santa Catarina. Doutor em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP/Marília). Mestre em Ciência da Informação e Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Pesquisador do grupo de pesquisa Representação e Organização do Conhecimento (ROC). Coordenador do Curso de Graduação em Biblioteconomia da UFSC. Temas de estudo: organização do conhecimento, organização da informação, classificações bibliográficas, classificações arquivísticas, indexação e sistemas de organização do conhecimento.

Referências

ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo Francisco de. Sociedade e biblioteconomia. São Paulo: Polis, 1997. 130 p.

ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo Francisco de; BORTOLIN, Sueli. Mediação da informação e da leitura. In: II SEMINÁRIO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 2., 2007, Londrina. Anais... Londrina: EPRINTS, 2007. p. 1-13. Disponível em: http://eprints.rclis.org/13269/1/MEDIA%C3%87%C3%83O_DA_INFORMA%C3%87%C3%83O_E_DA_LEITURA.pdf. Acesso em: 22 jul. 2019.

ASSOCIATION OF SPECIALIZED AND COOPERATIVE LIBRARY AGENCIES. The Libraries Serving Special Populations Section, [S.l.: s.n.]. Disponível em: http://www.ala.org/ascla/asclaourassoc/asclasections/lssps/lssp. Acesso em: 10 maio 2018.

BARBOSA. M. O conceito de devir a partir da filosofia da diferença. In: COLÓQUIO FILOSOFIA E LITERATURA: fronteiras, 2, 2010, São Cristóvão. Anais... São Cristóvão, SE: Grupo de Estudos de Filosofia e Literatura, Universidade Federal de Sergipe, 2010. p. 82-99.

BARROS, Ana Maria de; JORDÃO, Maria Perpétua Dantas. A cidadania e o sistema penitenciário brasileiro. UNIEDUCAR: educação sem distância, São Paulo, p.1-20, jan. 2004. Disponível em: https://www3.ufpe.br/ppgdh/images/documentos/anamb1.pdf. Acesso em: 29 jul. 2019.

BORTOLIN, Sueli; ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo Francisco de. Mediação oral literária: algumas palavras. In: VALENTIM, Marta (Org.). Gestão, mediação e uso da informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p. 85-103. Disponível em: http://www.santoandre.sp.gov.br/pesquisa/ebooks/364414.pdf. Acesso em: 1 ago. 2019.

BRASIL. [Lei Federal (1984)]. Lei Nº 7.210, de 11 de Julho de 1984. Brasília: Presidência da República, 1984. 32 p. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7210.htm. Acesso em: 18 maio 2018.

COSTA, Amabile. A constituição do acervo da Biblioteca da Penitenciária de Florianópolis: um estudo de caso. 2020. 140 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2020. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/341255698_A_constituicao_do_acervo_da_Biblioteca_da_Penitenciaria_de_Florianopolis_um_estudo_de_caso?_sg=JHhJgwUPHepbRt5dnG0F3977BxxzGtxHYCl58qeTvXvPtKn0Buc-UqVw-D7OsgxKNK1seg9y5EUlnAc. Acesso em: 10 ago. 2020.

COSTANZO, Emanuela; MONTECCHI, Giorgio. Prison Libraries in Italy. Library Trends, [S.l.], v. 59, n. 3, p. 509-519, 2011. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/38de/e8b54ec6111b60f2a1c0a6b212fabfe48bff.pdf. Acesso em: 1 nov. 2018.

CLARK, Sheila; MACCREAIGH, Erica. Library services to the incarcerated: applying the public, library model in correctional and facility libraries. Estados Unidos da América: Libraries Unlimited, 2006. 246 p.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Devir-intenso, devir-animal, devir-imperceptível. In: _______. Mil platôs. Tradução de Ana Lúcia de Oliverira. São Paulo: Ed. 34, 2002. v. 4. p. 11-113.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: volume 4. São Paulo: Editora 34, 2012. 200 p.

DOREA, D. Gilles Deleuze e Felix Guattari: heterogênese e devir. Margem, São Paulo, n. 16, p. 91-106, dez. 2002.

DORIGON, Alessandro. Exclusão social e o sistema carcerário. Conteúdo Jurídico, Brasília,27 jan. 2017. Disponível em: https://conteudojuridico.com.br/consulta/Artigos/49032/exclusao-social-e-o-sistema-carcerario. Acesso em: 19 set. 2018.

FOCAULT, Michel. O corpo utópico: as heterotopias. São Paulo: Edições, 2013.

FOCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

FREIRE, Paulo; FAUNDEZ, Antonio. Por uma pedagogia da pergunta. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

LEHMANN, Vibeke; LOCKE, Joanne. Orientações para serviços de biblioteca para reclusos. 3. ed. [S.l.]: IFLA, 2005. 24 p. Disponível em: https://www.ifla.org/files/assets/hq/publications/professional-report/92-pt.pdf. Acesso em: 21 maio 2019.

MARQUES, Josiane et al. A realidade do sistema prisional no Brasil: um dilema entre as penas e os direitos humanos. In: SEMINÁRIO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS DA UFRB, 5, 2015, Bahia. Anais... Bahia: UFBR, 2015. p. 1-13. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/sppgcs2015/images/Artigo-Aprovado-Final-1_1.pdf. Acesso em: 2 out. 2018.

MARSHALL, Aileen. M. J. Library Services in Correctional Settings. Information Outlook, [S.l.], v. 15, n. 1, p. 24-26, jan. 2011.

MELOSSI, Dario; PAVARINI, Massimo. Cárcere e fábrica: as origens do sistema penitenciário (séculos xvi-xix). Rio de Janeiro: Revan, 2017. 272 p.

MÉNDEZ, Juan E.. Relator da ONU condena prática de tortura e ‘racismo institucional’ nos presídios brasileiros. 2016. Disponível em: https://carceraria.org.br/combate-e-prevencao-a-tortura/relator-da-onu-condena-tortura-e-racismo-institucional-nos-presidios-brasileiros. Acesso em: 29 abr. 2020.

MORIGI, Valdir José; VANZ, Samile Andréa de Souza; GALDINO, Karina. O bibliotecário e suas práticas na construção da cidadania. Revista ACB, Florianópolis, v. 7, n. 1, p. 134-147, jan. 2002.

OLIVEIRA, Hilderline Câmara de. A linguagem no cotidiano prisional: enigmas e significados. Jundiaí: Paco Editorial, 2013. 272 p.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Hamburgo: Feevale, 2013. 277 p. Disponível em: http://www.feevale.br/Comum/midias/8807f05a-14d0-4d5b-b1ad-1538f3aef538/E-book%20Metodologia%20do%20Trabalho%20Cientifico.pdf. Acesso em: 6 nov. 2018.

STRECK, Danilo R; REDIN, Euclides; ZITKOSKI, Jaime José. Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica, 2017. 439 p.

WILKINS, Barratt. The correctional facility library: history and standards. Library Trends, [S.l.], v. 25, p. 119-123, 1977. Disponível em: https://www.ideals.illinois.edu/bitstream/handle/2142/6949/librarytrendsv26i1i_opt.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 17 set. 2018.

Downloads

Publicado

2021-02-28

Como Citar

Costa, A., e R. de Sales. “Biblioteca Prisional: Um espaço heterotópico”. Brazilian Journal of Information Science: Research Trends, vol. 15, fevereiro de 2021, p. e02101, doi:10.36311/1940-1640.2021.v15n.11298.