Hannah Arendt e a intencionalidade das aparências

Autores

  • Lucas Barreto Dias Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-3173.2020.v43esp.22.p301

Palavras-chave:

Fenomenologia, Intencionalidade, Pluralidade, Aparência, Experiência

Resumo

Neste texto, dedico-me a investigar o conceito de intencionalidade presente no pensamento de Hannah Arendt. Termo proveniente da fenomenologia husserliana, a intencionalidade designa que a consciência sempre se movimenta em direção a um objeto, de modo que para Husserl, trata-se aqui de um atributo do ego transcendental. Arendt, em sua obra póstuma, faz um deslocamento do conceito: a intencionalidade passa a ser compreendida não apenas como algo vinculado a um sujeito, mas, sobretudo às aparências. Deste modo, assim como o sujeito coloca em questão o objeto visado pela consciência, também o fenômeno pressupõe uma subjetividade embutida, isto é, as aparências se doam intencionalmente àqueles que captam suas aparições. Esta relação intencional, todavia, só faz sentido, no pensamento de Arendt, caso coloquemos em questão a pluralidade humana como conjunto de seres capazes de apreender as aparências a partir de uma experiência que só é possível mediante a própria pluralidade. Assim, a pensadora rechaça o sujeito cognoscente isolado como critério de verdade e sentido, proporcionando uma interpretação da relação homens e mundo como perspectiva pela qual se pode chegar a uma compreensão intersubjetiva da realidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Barreto Dias, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará

Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará.

Referências

ARENDT, Hannah. Compreender: Formação, exílio e totalitarismo. Trad. Br. Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Trad. Br.: Roberto Raposo, revisão técnica: Adriano Correia. 11ª edição. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010a.

ARENDT, Hannah. A vida do espírito: o pensar, o querer, o julgar. Trad. br.: Cesar Augusto R. de Almeida, Antônio Abranches e Helena Franco Martins. 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010b.

ARENDT, Hannah. La vida del espiritu: el pensar, la voluntad y el juicio en la filosofia y em la política. Trad. espanhola de Ricardo Montoro Romero y Fernando Vallespin Oña. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales, 1984.

ARENDT, Hannah. La vie de l’esprit: La pensée. Le vouloir. Traduit par Lucienne Lotringer. Paris: PUF, 2018b.

ARENDT, Hannah. La vitta della mente. Trad, italiana de Giorgio Zanetti. Bologna: Il Mulino, 1987.

DUARTE, André. “Hannah Arendt e o pensamento político: a arte de distinguir e relacionar conceitos”. Argumentos: Revista de Filosofia. Dossiê Hannah Arendt. Ano 5, n. 9 – Fortaleza, jan./jun. 2013, p. 39-62.

RIZO-PATRÓN, Rosemary. “Arendt, ¿lectora de Husserl?” II Jornadas de Fenomenologia y Hermenéutica. 21 de octubre de 2006. Disponível em: <http://textos.pucp.edu.pe/texto/Arendt-lectora-de-Husserl>. Acesso em: 20 julho. 2019.

SERRANO DE HARO, Agustín. “Husserl en el pensamiento de Hannah Arendt”. Investigaciones fenomenologicas: revista de la sociedad española de fenomenología. Número seis, Madrid, Septiembre de 2008.

TAMINIAUX, Jacques. La fille de Thrace et le penseur professionnel: Arendt et Heidegger. Paris: Éditions Payot, 1992.

TASSIN, Étienne. La question de l’apparence. In: ABENSOUR, Miguel. Ontologie et Politique: actes du Colloque Hannah Arendt. Éditions Tierce, 1989.

TASSIN, Étienne. Le trésor perdu: Hannah Arendt l’intelligence de l’action politique. Paris: Éditions Payot & Rivages, 2017.

VILLA, Dana. Arendt and Heidegger: the fate of the political. Princeton: Princeton University Press, 1996.

YOUNG-BRUEHL, Elizabeth. Hannah Arendt: por amor ao mundo. Trad. de Antônio Trânsito. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1997.

Recebido: 03/3/2020 - Aceito: 12/5/2020

Downloads

Publicado

2020-10-09 — Atualizado em 2022-07-18

Como Citar

Dias, L. B. (2022). Hannah Arendt e a intencionalidade das aparências. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 43(Special Issue), 301–316. https://doi.org/10.1590/0101-3173.2020.v43esp.22.p301

Edição

Seção

Artigos e Comentários