Da obra de arte total à síntese das artes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-3173.2020.v43n2.11.p189

Palavras-chave:

síntese das artes, integração das artes, teoria da arquitetura, vanguardas históricas.

Resumo

Houve, durante o século XX, uma persistente recorrência do tema da síntese ou integração das artes, em especial no campo da arquitetura: desde as vanguardas dos anos de 1920 até a ressurgência do tema, no imediato Pós-II Guerra, com Le Corbusier, Sigfried Giedion e Fernand Léger. No Brasil, nos anos de 1950, o entusiasmo de Mário Pedrosa com a construção da nova capital seguiu o lema Brasília, a cidade nova, síntese das artes (1981b, p. 355-363). A literatura correspondente menciona com frequência os nomes do arquiteto Gottfried Semper, um teórico oitocentista do estilo, e sua cooperação com o compositor Richard Wagner. O interesse contemporâneo pelo tema da síntese ou integração das artes e suas relações com arte e arquitetura aponta para os trabalhos desses dois autores como a proposição inicial, no âmbito da Gesamtkunstwerk ou a obra de arte total. Neste estudo, examina-se a feição especulativa com que Wagner sustentou a Gesamtkunstwerk, como passo estratégico para os estudos sobre o tema.

Recebido: 31/10/2018
Aceito: 26/4/2019

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Faccioli Gabriel, UNESP em Presidente Prudente

Professor de Teoria e História no curso de Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Presidente Prudente, SP – Brasil.

Referências

ARENDT, H. The crisis in culture: its social and its political significance. In: ARENDT, H. Between past and future. Nova York: Penguin Books, 1977. p. 194-222.

ARENDT, H. A condição humana. São Paulo: Editora Forense Universitária, 1999.

BANHAM, R. Theory and design in the first machine age. New York: Praeger Publishers, 1970.

CHAUÍ, M. Brasil, Mito Fundador e Sociedade Autoritária. São Paulo: Fund.Perseu Abramo, 2001.

GIEDION, S.; SERT, J. L.; LÉGER, F. Nine points on monumentality. In: OACKMAN, J. (Org.). Architecture culture 1943-1968. New York: Columbia Books of Architecture/Rizzoli, 1993. p. 29-30.

GIEDION, S. The need for a new monumentality. In: ZUCKER, P. (Org.) New architecture and city planning. New York: Philosophical Library, 1944. p. 549-568.

HEGEL, G. W. F. Curso de Estética – o belo na arte. São Paulo: Martins Fontes, 1996. p. 19, 25- 26.

HVATTUM, M. Crisis and correspondence: style in the 19th century. 2013. Architectural Histories, 1(1):21. P. 1-8, DOI: http//dx.doi.org/10.5334/ah.an. Disponível em Acesso em: 15 set. 2015.

LE CORBUSIER. Vers Une Architecture. Paris: Les Editions George Crès & Cie, 1923.

LE CORBUSIER. Urbanisme. Paris: Les Editions George Crès & Cie, 1924.

MALLGRAVE, H, F. e HERRMANN, W. (Orgs.) The four elements of architecture and other writings. Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

MOURA, C. O advento dos conceitos de cultura e civilização: sua importância para a consolidação da autoimagem do sujeito moderno. Filosofia Unisinos, v. 10, n. 2, p. 157-173, maio/ago. 2009. Disponível em: <http://doi.org/10.4013/fsu.2009.102.03>. Acesso em: 25 out. 2016.

PEDROSA, M. Arquitetura e crítica de arte -I. In: AMARAL, A. (org.). Dos Murais de Portinari aos Espaços de Brasília. São Paulo: Perspectiva, 1981a. p. 269-271.

PEDROSA, M. A Cidade Nova, Síntese das Artes. In: AMARAL, A. (Org.). Dos Murais de Portinari aos Espaços de Brasília. São Paulo: Perspectiva, 1981b. p. 355-363.

PEDROSA, M. Fundamentos da arte abstrata (1953). In: PEDROSA, M. Dimensões da arte. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, 1964. p. 207-215.

PEDROSA, M. Da Abstração à auto expressão (1959). In: AMARAL, A. (Org). Mario Pedrosa - mundo em crise, homem em crise, arte em crise. São Paulo: Perspectiva, 1975. p. 35-47.

PLATÃO, O banquete. In: Pessanha, J. A. M. (Org.) Platão. São Paulo: Abril Cultural, Coleção os Pensadores, 1979.

RANCIÈRE, J. O espectador emancipado. São Paulo: Editora WMF, 2012.

SEMPER, G. Style in the technical and tectonic arts; or, practical aesthetics. Los Angeles: Getty Research Institute, 2004.

SEMPER, G. Preliminary remarks on polychrome architecture and sculpture in antiquity. In: MALLGRAVE, H, F.; HERRMANN, W. (Orgs.) The four elements of architecture and other writings. Cambridge: Cambridge University Press, 1989a. p. 45-73.

SEMPER, G. The four elements of architecture. In: MALLGRAVE, H, F.; HERRMANN, W. (Orgs.) The four elements of architecture and other writings. Cambridge: Cambridge University Press, 1989b. p. 74-129.

VICHI, L. P.; RICON, L. C. C. Para o despertar de uma natureza germânica: o texto Was Ist Deutsch? De Richard Wagner. Veredas da História, v. 4, n. 1, 2011. Disponível em: <http://www.seer.veredasdahistoria.com.br/ojs-2.4.8/index.php/veredasdahistoria/article/view/60/63>. Acesso em: 18 dez. 2015.

WAGNER, R. Art and revolution. In: WAGNER, R. Richard Wagner’s prose works. London: Kegan Paul, Trench, Trübner & co., Ltd. 1892a. p. 30-65.

WAGNER, R. The art-work of the future. In: Richard Wagner’s prose works. London: Kegan Paul, Trench, Trübner & co., Ltd. 1892b. p. 69-213.

Recebido: 31/10/2018 - Aceito: 26/4/2019

Downloads

Publicado

2020-06-30 — Atualizado em 2021-09-01

Como Citar

Gabriel, M. F. (2021). Da obra de arte total à síntese das artes. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 43(2), 189–214. https://doi.org/10.1590/0101-3173.2020.v43n2.11.p189

Edição

Seção

Artigos e Comentários