Demônios da brasilidade

notas para um niilismo tropical

Autores

  • Rodrigo Barros Gewehr Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-3173.2021.v44n3.27.p343

Palavras-chave:

Niilismo, Brasilidade, Traços Culturais

Resumo

Este ensaio busca estabelecer algumas bases de reflexão sobre a possibilidade de se pensar uma brasilidade a partir do conceito de niilismo. Visamos compreender se haveria uma aplicação específica deste conceito no contexto brasileiro. A ideia do demoníaco entra em cena para dar conta do índice do imponderável em todo construto coletivo, salientando que as dinâmicas psíquicas, sejam elas individuais ou coletivas, realizam-se na cultura em formas sobredeterminadas. Nessa busca de se pensar a brasilidade, propõe-se o entrelaçamento do niilismo com traços culturais já elencados por autores como Mario de Andrade, Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda, entre outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Barros Gewehr, Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Professor no Instituto de Psicologia e no Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Maceió, AL – Brasil.

Referências

AMADO, R. Macunaíma, um trickster. Cadernos do CNFL, v. 19, n. 8, p. 243-263, 2015.

ANDRADE, M. Cartas a Alceu, Meyer e outros. Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1968.

ANDRADE, M. (1928). Macunaíma – O herói sem nenhum caráter. Rio de Janeiro: UFRJ Editora, 1996.

ANJOS, A. dos (1912). Eu e outras poesias. São Paulo: Martin Claret, 2001.

ARENDT, H. (1958). The Human Condition. Chicago: Chicago University Press, 1998.

ARENDT, H. (1964). Eichmann em Jerusalém. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ASSIS, M. de. A estátua de José de Alencar. In: ASSIS, M. de. Páginas recolhidas. Rio de Janeiro: Garnier, 1906.

CAMUS, A. (1951). L’homme revolté. Paris: Gallimard, 1954.

CARVALHO, S. M. S. Macunaíma, Maíra e Quarup. Itinerários, 11, p. 55-80, 1997.

CASSOU-NOGUÈS, P. Les démons de Gödel: logique et folie. Paris: Seuil, 2007.

DE QUINCEY, T. (1854). The Last Days of Immanuel Kant. Adelaide: The University of Adelaide Library, 2015.

EINSTEIN, A.; FREUD, S. (1933). Por que a guerra? Rio de Janeiro: Imago, 1996. (Volume XXII da Edição Standard das Obras Completas de Sigmund Freud)

ELLENBERGER, H. (1970). Histoire de la découverte de l’inconscient. Paris: Fayard, 1994.

FREUD, S. (1920). Além do princípio de prazer. Rio de Janeiro: Imago, 1996. (Volume XVIII da Edição Standard das Obras Completas de Sigmund Freud)

FREYRE, G. (1933). Casa Grande & Senzala. São Paulo: Global, 2006.

HOLANDA, S. B. (1936). Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

JUNG, C. G. (1936). Wotan. Princeton: Princeton University Press, 1978a. (Volume X dos Collected Works of Carl Gustav Jung).

JUNG, C. G. (1957). The Undiscovered Self (Present and Future). Princeton: Princeton University Press, 1978b. (Volume X dos Collected Works of Carl Gustav Jung).

JUNG, C. G. (1948). The Psychological Foundations of Belief in Spirits. Princeton: Princeton University Press, 1981. (Volume VIII dos Collected Works of Carl Gustav Jung).

JUNG, C. G. (1938). Psychology and Religion. Princeton: Princeton University Press, 1989. (Volume XI dos Collected Works of Carl Gustav Jung).

JUNG, C. G. (1954). On the Psychology of the Trickster-figure. Princeton: Princeton University Press, 1990. (Volume IX, 1 dos Collected Works of Carl Gustav Jung).

JUNG, C. G. (1932). The Development of Personality. Princeton: Princeton University Press, 1991. (Volume XVII dos Collected Works of Carl Gustav Jung).

JUNG, C. G. (1928). A energia psíquica. Petrópolis: Vozes, 2002.

KANT, E. (1781). Critique de la Raison Pure. Paris: Flammarion, 2006.

KANT, E. (1798). Antropologia de um ponto de vista pragmático. São Paulo: Iluminuras, 2019.

KRAMER, H.; SPRENGER, J. (1486). The Malleus Maleficarum. Translated by Rev. Montague Summers. New York: Dover, 1971.

LEVI, P.; DE BENEDETTI, L. Assim foi em Auschwitz. Testemunhos 1945 – 1986. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

LIMA BARRETO, A. H. (1915). Triste fim de Policarpo Quaresma. São Paulo: Martin Claret, 2011.

MAALOUF, A. Les identités meurtrières. Paris: Grasset, 1998.

MENEZES, E. D. B. Alceu Amoroso Lima: ‘A psicologia do povo’ ou ‘O homem brasileiro’ – um projeto inconcluso. Revista de Ciências Sociais, v. 29, n. 1-2, p. 19-43, 1998.

NIETZSCHE, F. (1885). Assim falava Zaratustra. Rio de Janeiro: Ediouro, s/d.

NIETZSCHE, F. (1888). Ecce homo – Como se chega a ser o que se é. Lisboa: Europa-América, 1987.

NIETZSCHE, F. (1873). Sobre a verdade e a mentira no sentido extra-moral. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

NIETZSCHE, F. (1901). Vontade de potência. Rio de Janeiro: Ediouro, s/d.

PESSOA, F. O eu profundo e outros eus. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, s/d.

PESSOA, F. Livro do desassossego. São Paulo: Companhia das letras, 1999.

PRADO JÚNIOR, C. (1942). Formação do Brasil contemporâneo. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

SANTOS, M. (1987). O espaço do cidadão. São Paulo: EDUSP, 2014.

SANTOS, M. (2000). Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SARTRE, J. P. J. P. Sartre commente l’enfer c’est les autres en introduction à Huis Clos. Paris: Gallimard, 2004. CD-ROM.

SOUZA, J. A tolice da inteligência brasileira. Ou como o país se deixa manipular pela elite. São Paulo: LeYa, 2015.

STEINER, J-F. (1966). Treblinka. São Paulo: Abril Cultural, 1976.

TOLSTÓI, L. (1869). Guerra e paz. V. I e II. Tradução de Rubens Figueiredo. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

TURGUENIEV, I. (1862). Pais e filhos. São Paulo: Círculo do Livro, 1984.

UMBELINO, L. A. F. C. Somatologia subjetiva: apercepção de si e corpo em Maine de Biran. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2010.

VALOIS, R. C. G. Jung et les racines de la guerre. Laval théologique et philosophique, v. 48, n. 2, p. 263-277, 1992.

WANG, H. (1987). Reflections on Kurt Gödel. Cambridge: MIT Press, 1995.

Recebido: 20/11/2017

Aceito: 15/9/2020

Downloads

Publicado

2021-08-20 — Atualizado em 2021-08-27

Como Citar

Gewehr, R. B. (2021). Demônios da brasilidade: notas para um niilismo tropical. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 44(3), 343–370. https://doi.org/10.1590/0101-3173.2021.v44n3.27.p343

Edição

Seção

Artigos e Comentários