Pulsão e dimensão

Heidegger e a estrutura da aptidão orgânica

Autores

  • Róbson Ramos dos Reis Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-3173.2018.v41n3.10.p191

Palavras-chave:

Heidegger, Vida, Aptidão, Pulsão, Dimensão, Regra

Resumo

Nos Conceitos fundamentais da metafísica, Heidegger esboçou uma ontologia da vida que concebe os animais e as plantas como totalidades relacionais compostas por aptidões, complexidade orgânica e relação ao ambiente. A estrutura da aptidão é apresentada como formalmente determinada pelo fenômeno da pulsão (Trieb). Tal determinação concede à aptidão a característica de uma dimensão em sentido formal. Nesse artigo, realizo uma análise da dimensionalidade orgânica a partir de dois aspectos da dimensão enquanto tal: a travessia de algo para algo e o domínio de regra para a acolhida de uma multiplicidade. Esses aspectos proporcionam o marco para examinar a dimensionalidade da aptidão pulsional. Da análise resulta que o traço dimensional das aptidões compromete a ontologia da vida com a aceitação de características como não fixidez, desenvolvimento plástico e relacionalidade ao ambiente e a si mesmo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Róbson Ramos dos Reis, Universidade Federal de Santa Maria

Prof. titular no Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Santa Maria, Pesquisador 1C do CNPq. Área: fenomenologia e hermenêutica.

Publicado

2018-10-31

Como Citar

Reis, R. R. dos. (2018). Pulsão e dimensão: Heidegger e a estrutura da aptidão orgânica. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 41(3), 191–212. https://doi.org/10.1590/0101-3173.2018.v41n3.10.p191

Edição

Seção

Artigos e Comentários