SENSUALISMO E ANTIMATERIALISMO EM ROUSSEAU

Autores

  • Gustavo Cunha BEZERRA

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31732016000300004

Palavras-chave:

Materialismo, Rousseau, Sensualismo

Resumo

Procuraremos analisar, neste artigo, o duplo movimento do pensamento rousseauniano, que, se, por um lado, se apresenta acentuadamente sensualista, principalmente nos primeiros livros do Emílio, por outro lado, encontra o limite desse sensualismo nas consequências extremas do materialismo de Diderot e Helvétius. Apontaremos aqui a proximidade de Rousseau com o pensamento que deriva da estátua hipotética de Condillac, mas que rejeita completamente a afirmação de que “julgar é sentir”, proclamada por Helvétius. Para o autor da Profissão de fé do Vigário saboiano, o julgamento não pode ser reduzido à passividade das sensações, mas é resultado da intervenção ativa do eu, uma vontade livre e inteligente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Cunha BEZERRA

O Laboratório Editorial foi instituído com o objetivo de criar condições e oportunidades para a difusão de pesquisas e tornar públicos os resultados dos trabalhos do corpo docente da FFC. Constitui-se num órgão adjunto à Diretoria da FFC e vinculado à SAEPE, com o apoio da Seção Gráfica, da Diretoria, da Biblioteca, e das Seções de Finanças, Compras e Técnica Acadêmica. A função do Laboratório Editorial é a de assessorar, planejar, realizar e distribuir livros, periódicos e outras publicações elaboradas na FFC.

E-mail: labeditorial@marilia.unesp.br 

Downloads

Publicado

2016-09-08

Como Citar

BEZERRA, G. C. (2016). SENSUALISMO E ANTIMATERIALISMO EM ROUSSEAU. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 39(3). https://doi.org/10.1590/S0101-31732016000300004

Edição

Seção

Artigos e Comentários