O RELATIVISMO COGNITIVO É AUTORREFUTANTE?

Autores

  • Robinson GUITARRARI

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31732016000100008

Palavras-chave:

Relativismo epistemológico. Relativismo cognitivo. Incomensurabilidade. Autorrefutação. Putnam. Kuhn.

Resumo

Hilary Putnam procurou solapar o relativismo cognitivo, mediante acusações de incoerência autodestrutiva. A concepção de Thomas Kuhn de desenvolvimento do conhecimento científico ocupa um lugar de destaque nesse empreendimento crítico, e a incomensurabilidade entre paradigmas rivais constitui o núcleo da disputa. Putnam afirmou que a incomensurabilidade é autorrefutante, levando em conta apenas sua dimensão semântica. Este artigo examina essa investida antirrelativista. Considero dois sentidos de autorrefutação, o material e o formal, e defendo que essa acusação não atinge a referida formulação semântica. Adicionalmente, mostro que a dimensão epistemológica da incomensurabilidade também não é afetada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Robinson GUITARRARI

O Laboratório Editorial foi instituído com o objetivo de criar condições e oportunidades para a difusão de pesquisas e tornar públicos os resultados dos trabalhos do corpo docente da FFC. Constitui-se num órgão adjunto à Diretoria da FFC e vinculado à SAEPE, com o apoio da Seção Gráfica, da Diretoria, da Biblioteca, e das Seções de Finanças, Compras e Técnica Acadêmica. A função do Laboratório Editorial é a de assessorar, planejar, realizar e distribuir livros, periódicos e outras publicações elaboradas na FFC.

E-mail: labeditorial@marilia.unesp.br 

Downloads

Publicado

2016-02-16

Como Citar

GUITARRARI, R. (2016). O RELATIVISMO COGNITIVO É AUTORREFUTANTE?. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 39(01). https://doi.org/10.1590/S0101-31732016000100008

Edição

Seção

Artigos e Comentários