Repetição, negação e ideologia. Marx, Hegel e o problema do sujeito

Autores

  • Pedro Laureano UFSJ-Universidade Federal de São João del Rei.

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-3173.2018.v41n3.06.p105

Palavras-chave:

Marx, Hegel, dialética, ideologia.

Resumo

Este artigo parte da análise da influência de Hegel na construção do conceito de capital e de ideologia, na obra de Marx. Para tal, buscamos analisar a passagem dos primeiros escritos humanistas de Marx a sua teoria tardia. Da ruptura realizada por Marx em relação a suas obras de juventude, surge o problema de como determinar o sujeito, uma vez que a perspectiva humanista inicial é abandonada. Nossa ideia é a de que, paradoxalmente, é quando abandona Hegel que Marx termina por encontrar problemas que apenas poderiam ser resolvidos através da dialética hegeliana, como a questão da crítica da ideologia. É o que procuraremos argumentar através de uma análise sobre o papel da negatividade em Hegel. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Laureano, UFSJ-Universidade Federal de São João del Rei.

Professor Adjunto do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), São João del-Rei, MG – Brasil. E-mail: pedro@laureanopsi.com.br

Publicado

2018-10-31

Como Citar

Laureano, P. (2018). Repetição, negação e ideologia. Marx, Hegel e o problema do sujeito. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 41(3), 105–124. https://doi.org/10.1590/0101-3173.2018.v41n3.06.p105

Edição

Seção

Artigos e Comentários