Henri Bergson e a Simbiose Cognitivo-Psíquica na Relação Subjetividade & Trabalho

Autores

  • Gilbert Cardoso BOUYER

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31732014000100006

Palavras-chave:

Ciências Cognitivas, Henri Bergson, Fenomenologia de Husserl

Resumo

O principal objetivo deste artigo é ampliar o atual cenário teórico da área "Saúde Mental e Trabalho", de acordo com a filosofia de Henri Bergson e seus conceitos de percepção, cognição, duração, vida psíquica, tempo e subjetividade. Este texto teórico-filosófico objetiva esclarecer, sob um novo ponto de vista, as relações entre filosofia da mente e os atuais esforços em direção a uma teoria científica da cognição, com sua complexa estrutura de teorias, hipóteses e disciplinas. Há, neste artigo, uma nova abordagem para compreender as ciências cognitivas contemporâneas, segundo um tipo de investigação fenomenológica iniciada pela fenomenologia de Husserl. Os métodos empregados foram revisão sistemática e adaptação dos conceitos de Bergson, e sua naturalização no atual contexto dos princípios epistemológicos e ontológicos das ciências cognitivas, para uma análise fenomenológica da relação entre trabalho e saúde mental. As atuais contribuições da Fenomenologia de Husserl foram usadas para compreender as relações entre saúde mental e trabalho. Há também referências à filosofia aplicada nas ciências cognitivas contemporâneas, baseadas na proposta teórico-filosófica de Bergson.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2014-04-01

Como Citar

BOUYER, G. C. (2014). Henri Bergson e a Simbiose Cognitivo-Psíquica na Relação Subjetividade & Trabalho. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 37(1). https://doi.org/10.1590/S0101-31732014000100006

Edição

Seção

Artigos e Comentários