O Estatuto do Corpo em Esquisse D’une Théorie Des Émotions, de Jean-Paul Sartre

Autores

  • Marcelo Galletti FERRETTI

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31732013000300008

Palavras-chave:

Sartre, Jean-Paul, Emoção, Corpo, Consciência, Psicologia, Fenomenologia

Resumo

Neste artigo, pretendo evidenciar algumas dificuldades que cercam a definição do estatuto do corpo em Esquisse d’une théorie des émotions (Esboço de uma teoria das emoções), obra de Jean-Paul Sartre publicada em 1939. Tais dificuldades, fundamentalmente, advêm do primado que a consciência adquire na eidética sartreana da emoção, o qual acaba por condicionar a atividade do corpo à espontaneidade da consciência. Trata-se, portanto, de uma posição teórica que guarda semelhanças com o intelectualismo, o qual, todavia, é objeto das críticas de Sartre desde o início da referida obra. Com o intuito de assinalar essas questões, procuro expor a eidética sartreana da emoção, dando ênfase ao estatuto problemático do corpo nela presente. Contudo, é necessário, antes dessa exposição, retomar o teor da censura às teorias psicológicas da emoção no texto de Sartre, em especial a de William James, bem como recuperar algumas teses centrais do próprio James a respeito da emoção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-12-09

Como Citar

FERRETTI, M. G. (2013). O Estatuto do Corpo em Esquisse D’une Théorie Des Émotions, de Jean-Paul Sartre. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 36(3), 129–154. https://doi.org/10.1590/S0101-31732013000300008

Edição

Seção

Artigos e Comentários