Os Sentidos de Compreensão nas Teorias de Weber e Habermas

Autores

  • José Geraldo A. B. Poker

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31732013000400014

Palavras-chave:

Compreensão, Explicação, Ciências Sociais, Habermas, Weber

Resumo

Partindo do pressuposto de que a teoria social elaborada por Habermas em muito se assemelha àquela construída por M. Weber, procedeu-se a um estudo comparativo com a intenção de identificar as formas pelas quais Weber e Habermas elaboraram o conceito de compreensão, ao mesmo tempo em que e o elegeram, cada um a seu modo, como instrumento metodológico adequado às dificuldades da produção de conhecimento científico nas Ciências Sociais. Tanto para Weber, como para Habermas, o conhecimento nas Ciências Sociais não consegue escapar das influências diretas da subjetividade do cientista, como também não é capaz de se proteger das contingências histórico culturais aos quais inevitavelmente toda ação humana está vinculada. Por isso, fundamentados em suas próprias razões, tanto Weber quanto Habermas apontam a compreensão como a forma possível deconhecimento, o que implica a renúncia às pretensões explicativas e à produção de teorias gerais de fundamentação última, que são típicas das ciências convencionais.-

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-04-29

Como Citar

Poker, J. G. A. B. (2013). Os Sentidos de Compreensão nas Teorias de Weber e Habermas. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 36(1), 221–244. https://doi.org/10.1590/S0101-31732013000400014

Edição

Seção

Artigos e Comentários