Michel Foucault e a Escola de Frankfurt

Autores

  • Leomir Cardoso Hilário
  • Eduardo Leal Cunha

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31732012000300009

Palavras-chave:

Foucault, Honneth, Escola de Frankfurt, Crítica do Poder

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar os elementos centrais da crítica realizada por Axel Honneth ao pensamento de Michel Foucault, em Crítica do Poder, articulando-a com sua análise da obra do chamado “círculo interno” da Escola de Frankfurt, principalmente Adorno e Horkheimer. Dessa maneira, entende-se que Honneth opera uma aproximação do pensamento foucaultiano à tradição crítica frankfurtiana, com ênfase em deficiências comuns que apontam para uma filiação entre os autores e, ao mesmo tempo, para sua insuficiência na análise da sociedade contemporânea. Tal leitura, contudo, em que pese sua inovação em pôr lado a lado Foucault e Habermas enquanto desenvolvimentos rivais da Teoria Crítica, é limitada tanto cronologicamente, por não levar em consideração a reorientação realizada por Foucault, a partir de 1978, quanto por identificar problematicamente as noções de poder e dominação. Essa limitação não inviabiliza, entretanto, manter o gesto de convergência entre o pensamento foucaultiano e a Escola de Frankfurt, pensando-o através de uma via positiva, que não se restrinja às limitações das suas ferramentas críticas, mas que, ao contrário, ao focalizar a radicalidade de tal crítica, torne possível destacar a sua atualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-11-30

Como Citar

Hilário, L. C., & Cunha, E. L. (2012). Michel Foucault e a Escola de Frankfurt. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 35(03), 157–188. https://doi.org/10.1590/S0101-31732012000300009

Edição

Seção

Artigos e Comentários