O ser e o nada: “A Temporalidade”. Um guia de viagem

Autores

Palavras-chave:

História da filosofia francesa, História da filosofia francesa contemporânea, Fenomenologia, Existencialismo, Sartre, O ser e o nada

Resumo

O presente artigo apresenta-se como um guia de leitura do capítulo "A Temporalidade", de O ser e o nada, de Jean-Paul Sartre. Para levar a cabo a tarefa, porém, ele articula dois momentos complementares. O primeiro momento funciona como construção de um ângulo de ataque e de um modo de aproximação do texto sartriano em questão. Nele são dadas as condições preliminares de leitura e os elementos de legibilidade do problema, tornando possível que o leitor se instale, por assim dizer, no contexto propriamente sartriano da questão, oferecendo, assim, as condições para sua leitura, o que também passa pela maneira pela qual se desenvolve o tema, nas investigações prévias. A nosso juízo, são esses elementos que, ao dar eficiência analítica para a leitura do problema e para esclarecimento do tema, tornam o texto legível, prova que se faz no segundo momento do artigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Carrasco, UNIFESP

Professor Associado DF PPGFIL Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), São Paulo, SP – Brasil. Orcid: https://orcid.org/0000-0003-4379-1773.

Referências

AGOSTINUS, Aurelius. Confissões. São Paulo: Paulus, 1984.

AGOSTINUS, Aurelius. Confissiones. Ed. Martinus Skutella, ed. corr. cur. H. Huergens et W. Sachaub, Stutgardiae, Lipsiae: Teubner, 1996.

ALT, Fernanda. Do instante à ek-stase: a mudança na teoria do tempo em Sartre. O que nos faz pensar, Rio de Janeiro, v. 26, n. 40, p. 305-329, jan./jun. 2017.

BARBARAS, Renaud. Sartre. Désir et liberté. Paris: PUF/Débats, 2005.

CABESTAN, Philippe. L'être et la conscience. Recherches sur la psychologie et l' ontophénoménologie sartrienne. Bruxelas: Ousia, 2004.

COOREBYTER, Vicent. Sartre face à la Phénomémologie. Bruxelas: Ousia. 2000.

ESPINOSA, Bento. Ética. São Paulo: Edusp, 2015.

ESPINOSA, Bento. Éthique. Paris: PUF, 2020.

FLAJOLIET, Alain. Ipséité et temporalité. In: BARBARAS, Renaud. Sartre. Désir et liberté, Paris: PUF/Débats, 2005.

FLAJOLIET, Alain. La première philosophie de Sartre. Paris: Honoré Champion, 2008.

FUJIWARA, Gustavo. A Temporalidade em “L’être et le néant”. Kriterion, Belo Horizonte, n. 144, p. 563-585, dez. 2019.

GRANEL, Gérard. Le sens du temps et de la perception chez E. Husserl. Paris: Gallimard. 1968.

HUSSERL, Edmond. Leçons pour une phénoménologie de la conscience intime du temps. Trad. Henri Dussort. Paris: Paris: Presses Universitaires de France, 1964.

HUSSERL, Edmond. Vorlesungen zur Phänomenologie des inneren Zeitbewusstseins. Editor: Martin Heidegger. Tübingen: Max Niemeyer. 2000.

MOUTINHO, Luiz Damon Santos. Psicologia e fenomenologia em Sartre. 1993. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993.

MÜLLER, Marcos L. A má fé e a Teoria da Negação em Sartre. Manuscrito, Campinas, v. V, n. 2, p. 91-103,1982.

PRADO JR., Bento. Ipseitas. Editor: Vladimir Safatle. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

SARTRE, Jean-Paul. Cahiers de la drôle de guerre. Paris: Gallimard, 1995.

SARTRE, Jean-Paul. L’être et le néant. Paris: Gallimard, 1998.

SARTRE, Jean-Paul. La transcendence de l’Ego et autres textes phénoménologiques. Paris: Vrin, 2001.

Recebido: 08/08/2023 - Aceito: 28/11/2023 - Publicado: 25/03/2024

Publicado

25-03-2024

Como Citar

Carrasco, A. (2024). O ser e o nada: “A Temporalidade”. Um guia de viagem. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia Da Unesp, 47(1), e02400131. Recuperado de https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/14956

Edição

Seção

Artigos