Entre a utopia e a realidade: as possibilidades do mundo, segundo Ernst Bloch

Autores

  • Thiago Reis UFMG

Palavras-chave:

Ernst Bloch, Ainda-não, Marxismo, Teoria das possibilidades, Matéria

Resumo

O aspecto mais importante da filosofia de Ernst Bloch se baseia na afirmação de que "S ainda não é P" – premissa ontológica que sustenta todos os desdobramentos do seu pensamento. Nesse sentido, articula Bloch: "O proletário ainda não se sublevou, a natureza ainda não é nossa casa, a realidade ainda não foi desdobrada em sua totalidade" – tudo isso permanece em processo e a tarefa da filosofia é a de considerar as reais possibilidades do ainda-não-realizado e transformar o mundo de acordo com o que ele pode ser. A intenção deste texto é a de contribuir com a investigação acerca das premissas fundamentais do pensamento blochiano, sobretudo de sua ontologia do ainda-não, amparada em uma teoria das possibilidades que pretende reinterpretar a noção aristotélica de matéria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Reis, UFMG

Doutor em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG – Brasil. Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Uberaba (PPGE-UNIUBE). https://orcid.org/0000-0003-3114-9468.

Referências

ARISTÓTELES. Física. Trad. Guillermo R. de Echandía. Madrid: Gredos, 1995.

BICCA, L. Marxismo e Liberdade. Trad. Vânia Sampaio. São Paulo: Loyola, 1987.

BLOCH, E. Experimentum Mundi: Question, catégories de l’élaboration, praxis. Traduction et notes de Gerard Raulet. Paris: Payot, 1981.

BLOCH, E. Sujeto - Objeto: El pensamiento de Hegel. Trad. Wenceslao Roces. México: FCE, 1983.

BLOCH, E. O Princípio Esperança. Volume I. Trad. Nélio Schneider e Werner Fuschs. São Paulo: Contraponto, 2005.

BORGES, A. A esperança ateia contra a morte. Revista Filosófica de Coimbra, n. 4, v. 2, p. 403-426, 1993.

FURTER, P. Utopie et marxisme selon Ernst Bloch. Archives des sciences sociales des religions, n. 21, p. 3-21, 1966.

FURTER, P. Dialética da esperança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

HABERMAS, J. Ernst Bloch: um Schelling marxista. In: Habermas. Trad. e org. Bárbara Freitag e Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Ática, 2001.

MARCUSE, H. Razão e Revolução: Hegel e o advento da teoria social. Trad. Marília Barroso. 5. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

MARX, K. A Miséria da Filosofia. Trad. José Paulo Netto. São Paulo: Global, 1985.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. Trad. Jesus Ranieri. São Paulo: Boitempo, 2004.

MOIR, C. In Defence of Speculative Materialism. Historical Materialism, v. 27, n. 2, p. 123-155, 2019.

ROSS, W. D. Aristotle. London: Routledge, 1995.

SCHÜTZ, R. Ernst Bloch: um Marx schellinguiano? Reflexões sobre os pressupostos de uma filosofia engajada. Problemata - Revista Internacional de Filosofia, v. 10, p. 303-317, 2019.

SERRA, F. História, política y derecho en Ernst Bloch. Madrid: Trotta, 2001.

ZE’VE, L. Utopia and reality in the philosophy of Ernst Bloch. Utopian Studies, v. 1, n. 2, p. 3-12, 1990.

Recebido: 10/02/2023

Aprovado: 01/04/2023

Publicado

11-09-2023

Como Citar

Reis, T. (2023). Entre a utopia e a realidade: as possibilidades do mundo, segundo Ernst Bloch. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia Da Unesp, 46(4), 269–286. Recuperado de https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/14196

Edição

Seção

Artigos e Comentários