Notas sobre a "carência de fundamentação" na filosofia de Theodor W. Adorno

Autores

  • Rodrigo Antonio de Paiva Duarte

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31731994000100004

Palavras-chave:

Teoria crítica, Paradigma lingüístico, a priori transcendental, Práxis, Argumentação, Emancipação

Resumo

Habermas relê Adorno e Horkheimer à luz do seu próprio modelo, isto é, do "paradigma lingüístico" que substitui a práxis transformadora pela argumentação. Assim, Habermas não percebe que, em Adorno, a competência comunicativa subordina-se a algo essencialmente diferente, a um impulso emancipatório. As características deste a priori transcendental racionalmente mediado devem ser buscadas não na Dialética do esclarecimento, mas em Minima moralia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

1994-01-01

Como Citar

Duarte, R. A. de P. (1994). Notas sobre a "carência de fundamentação" na filosofia de Theodor W. Adorno. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 17, 39–49. https://doi.org/10.1590/S0101-31731994000100004

Edição

Seção

Artigos e Comentários