Objetos intencionais e existência objetiva

Autores

  • Jairo José da Silva

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31731991000100009

Palavras-chave:

Ontologia da matemática, Existência matemática

Resumo

Neste artigo quero apontar para a possibilidade de uma ontologia da matemática que, mesmo mantendo alguns pontos em comum com o platonismo e com o construtivismo, desliga-se destes em outros pontos essenciais. Por objeto matemático entendo o foco referencial do discurso matemático, ou seja, aquilo sobre o qual a matemática fala. Entendo que a existência destes objetos é meramente intencional, presuntiva, mas, simultaneamente, objetiva, no sentido de ser uma existência comunalizada, compartilhada por todos aqueles engajados no fazer matemático. A existência objetiva das entidades matemáticas não está, entretanto, garantida de uma vez por todas, mas apenas enquanto o discurso matemático for consistente. Este é o espírito do critério de existência objetiva enunciado que, acredito, deve sustentar uma ontologia matemática sem o pressuposto da existência independente de um domínio de objetos matemáticos, sem o empobrecimento que lhe impõem as diferentes versões construtivistas e sem a aniquilação que lhe infringe o formalismo sem objetos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

1991-12-01

Como Citar

Silva, J. J. da. (1991). Objetos intencionais e existência objetiva. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 14, 155–164. https://doi.org/10.1590/S0101-31731991000100009

Edição

Seção

Artigos e Comentários