A produção racional em regime histórico de fé

com vistas à ciência

Autores

  • Ubaldo M. Puppi Faculdade de Filosofia e Ciências - FFC - Campus de Marília

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31731984000100001

Palavras-chave:

Ciência, fé, diálogo, discurso, intérprete, filosofia

Resumo

Em razão das diferenças das respectivas pertinencias, não há diálogo direto possível entre ciência e fé teologal. Não há nada de estranho nisso, pois o mesmo ocorre entre uma ciência e outra, entre ciência e filosofia e até entre ciência e cultura geral. Cada ciência é uma estrutura fechada, fala apenas sua língua, ignorando as demais. Mas isso não quer dizer que não seja possível o diálogo entre diversas espécies ou diversos gêneros de discurso. É a mediação de intérpretes que o viabiliza, e a filosofia é o seu agente privilegiado. Por sua natureza, e desde que assistida por intérpretes que podem estar acumulados no próprio filósofo, a filosofia é apta a conduzir um diálogo universal. Por aquilo que ela transcende, a filosofia mantém fronteiras com as ciências e com a cultura geral; por aquilo que a transcende, ela mantém fronteiras com a teologia. Esta última marca, ela a deve ao estado em que se encon tra, que é de um regime histórico de revelação e de fé.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

1984-01-01

Como Citar

Puppi, U. M. (1984). A produção racional em regime histórico de fé: com vistas à ciência. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 7, 1–7. https://doi.org/10.1590/S0101-31731984000100001

Edição

Seção

Artigos e Comentários