UNIVERSALIDADE ESTÉTICA E UNIVERSALIDADE LÓGICA: NOTAS SOBRE O §8 DA CRÍTICA DO JUÍZO DE KANT

Autores

  • Pedro Costa Rego

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31732011000400002

Resumo

A tese fundamental da Estética kantiana contida na Crítica do Juízo é a de que os juízos de gosto, eminentemente subjetivos, proferidos com base num sentimento de prazer desinteressado da existência do objeto julgado e não fundados em conceitos do entendimento ou ideias da razão prática, apresentam validade universal. “Universalidade estética” é o conceito-chave com base no qual a terceira Crítica, que já havia afrontado as estéticas racionalistas com a tese da não-conceptualidade do juízo de gosto, rechaça, no outro fl anco, o ceticismo estético dos defensores de um gosto privado e incomunicável. Em sua versão expositiva e analítica, o tema da universalidade do gosto é discutido no segundo momento da Analítica do Belo, que se conclui com a tese de que “belo é o que apraz universalmente sem conceito”. A essa conclusão Kant chega, tendo estabelecido no §8, entre outras coisas, a distinção entre a universalidade própria dos juízos refl exionantes estéticos e uma certa universalidade que se deve reconhecer em juízos determinantes de conhecimento teórico ou prático. À primeira, Kant atribui três títulos: o acima referido de “universalidade estética” (ästhetische Allgemeinheit), o de “validade comum” (Gemingültigkeit) e o de “validade universal subjetiva” (subjektive Allgemeingültigkeit). Quanto à segunda, a Analítica parece pretender batizar com os nomes supostamente equivalentes de “universalidade lógica” (logische Allgemeinheit) e “validade universal objetiva” (objektive Allgemeingültigkeit). O que defendo, no presente trabalho, é que a inteligência da noção de universalidade estética fi ca comprometida por três níveis de ambiguidade presentes no estabelecimento desses conceitos. Primeiramente, discutirei as difi culdades concernentes à apresentação kantiana dos conceitos de “universalidade” (Allgemeinheit) e de “validade universal”

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-08-18

Como Citar

Rego, P. C. (2011). UNIVERSALIDADE ESTÉTICA E UNIVERSALIDADE LÓGICA: NOTAS SOBRE O §8 DA CRÍTICA DO JUÍZO DE KANT. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 34(5). https://doi.org/10.1590/S0101-31732011000400002

Edição

Seção

Artigos e Comentários