Comentário ao artigo "Nietzsche y el devenir vital: de lo inorgánico a lo orgânico"

Autores

  • Márcio José Silveira Lima Universidade Federal do Sul da Bahia - UFSB

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-3173.2020.v43n4.19.p309

Palavras-chave:

Nietzsche, Orgânico, Inorgânico

Resumo

Em seu artigo “Nietzsche y el devenir vital: de lo inorgánico a lo orgânico”, Pablo Martínez Becerra dedica-se a uma das teorias mais difíceis e estudadas de Nietzsche, a da vontade de potência, dando ênfase a aspectos nem sempre explorados, como as considerações do filósofo sobre o caráter inorgânico do mundo. Destacando o contexto das leituras que foram importantes e que possivelmente influenciaram a elaboração da doutrina, o autor demarca o lugar do nome mais conhecido e respeitado entre os nomes que influenciaram Nietzsche: o de Schopenhauer. A seu ver, acertadamente nos parece, a filosofia da vontade poderia ser considerada como modelo de inspiração apenas para uma parte da teoria da vontade de potência, uma vez que ela não considera o mundo como vontade, em sua expressão inorgânica. Para expandir o âmbito de atuação a todo o real, as leituras “científicas” teriam tido um papel importante, tais como Zöllner, Boscovich, Vogt, Spir, Kopp.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcio José Silveira Lima, Universidade Federal do Sul da Bahia - UFSB

Professor de Filosofia da Universidade Federal do Sul da Bahia – UFSB – e Editor Responsável dos Cadernos Nietzsche.

Downloads

Publicado

2020-11-20

Edição

Seção

Artigos/Articles