Filosofias em diáspora

Epistemologias de terreiro e transformações do Eu

Autores

  • Luís Thiago Freire Dantas Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-3173.2022.v45esp.10.p169

Palavras-chave:

Filosofia Africana, Diáspora, Terreiro, Corpo

Resumo

Este artigo trata da diáspora africana como fonte epistemológica e, principalmente, suas implicações a produção de filosofia africana no Brasil. Para aprofundar essa questão, o corpo será enfatizado como meio de comunicação com o mundo visível ou invisível através do terreiro, estabelecendo uma relação entre a vivência e o pensamento filosófico. Em seguida, para fundamentar a diáspora, será interpretado a narrativa da orixá Oyá/Iansã tendo como eixo o “corpo sem fronteiras” que medeia natureza e cultura. Por fim, propor uma filosofia que articule o encontro entre o terreno e o espiritual, a tradição e o moderno baseando-se em uma conexão conceitual entre África e Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luís Thiago Freire Dantas, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

Professor Adjunto de Filosofia da Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ – Brasil.

Referências

ANTONACCI, M. A. Corpos sem fronteiras. Revista do Programa de Estudo Pós-Graduados em História e do Departamento de História – PUC/SP. São Paulo, n. 25, dez. 2002.

BALLESTRIN, L. The Global South as a Political Project. E-International Relation. 3 jul. 2020. Disponível em: https://www.e-ir.info/2020/07/03/the-global-south-as-a-political-project/ Acesso em: 10 ago. 2020.

BRAH, A. Cartografías de la Diáspora. Identidades em cuéstion. Tradução de Sergio Ojeda. Madrid: Traficantes de Sueños, 2011.

CUSICANQUI, S. R. Ch’ixinakax utxiwa: una reflexión sobre prácticas y discursos descolonizadores. Buenos Aires: Tinta Limón, 2010.

FLOR DO NASCIMENTO, W. Orí: a saga atlântica pela recuperação das identidades usurpadas. In: SOUZA, E. P. de (org.). Negritude, Cinema e Educação. 1. ed. Belo Horizonte: Mazza, 2011. v. 3, p. 134-146.

KILOMBA, G. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Tradução de Jess Oliveira. Rio de Janeiro: a Cobogó, 2017.

MACHADO, V. Pele da cor da noite. Salvador: UFBA, 2013.

MBEMBE, A. Formas Africanas de Auto-inscrição. Tradução de Patrícia Farias. Estudos Afro-Asiáticos, ano 23, n. 1, 2001.

MIGNOLO, W. Desobediência Epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, n. 34, p. 287-324, 2008.

OLIVEIRA, E. Filosofia da Ancestralidade: Corpo e Mito na Filosofia da Educação Brasileira. Curitiba: Popular, 2007.

OYĚWÙMÍ, O. A Invenção das Mulheres: construindo um sentido africano para os discursos ocidentais de gênero. Tradução de Wanderson Flor do Nascimento. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020.

SODRÉ, M. Claros e Escuros: identidade, povo, mídia e cotas no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

SODRÉ, M. O Terreiro e a Cidade: a forma social negro-brasileira. Rio de Janeiro: Mauad X, 2019.

Recebido: 10/8/2020 - Aceito: 24/01/2021

Downloads

Publicado

2022-01-06 — Atualizado em 2022-06-23

Como Citar

Dantas, L. T. F. (2022). Filosofias em diáspora: Epistemologias de terreiro e transformações do Eu. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 45, 169–184. https://doi.org/10.1590/0101-3173.2022.v45esp.10.p169