EDUCAÇÃO E FILOSOFIA NA ERA DA (des)INFORMAÇÃO

Autores

  • Rafaela Ferreira Marques Doutoranda em Filosofia pelo Programa de Pós-Gradução em Filosofia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-8900.2018.v10n24.10.p145

Palavras-chave:

Ensino de filosofia, Michel Serres, Oficina de conceitos, Novas Tecnologias de Comunicação e Informação, Ensino Médio

Resumo

Duas novidades ocorridas já nos anos 2000 possuem entre si uma relação intrínseca que será investigada no presente trabalho. Trata-se, primeiro, da emergência de uma nova geração de crianças e adolescentes denominadas por Michel Serres de Polegarzinhos, que tem como principal característica o uso frequente e quase orgânico de tablets, smartphones e outras NTICs (novas tecnologias de comunicação e informação). A segunda novidade, um pouco menos teórica e sociológica, refere-se à recente inclusão do ensino de filosofia como disciplina obrigatória nos três anos do Ensino Médio no Brasil. O que une essas duas novidades é o fato de que os Polegarzinhos são justamente o público contemplado pela mudança no currículo da educação básica no país. Como se dá a relação dessa geração com o estudo da filosofia? A fim de responder a questão abordaremos a prática pedagógica a partir do viés da “oficina de conceitos” proposto por Silvio Gallo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-12-11