AUTONOMIA E DIGNIDADE EM KANT E A EUTANÁSIA VOLUNTÁRIA

Autores

  • Fábio Valenti Possamai Mestrando em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-8900.2009.v1n02.4309

Palavras-chave:

Autonomia, Eutanásia, Dignidade humana

Resumo

A discussão envolvendo a eutanásia levanta atualmente importantes questões no campo da Bioética. Alguns a enxergam como um instrumento de alívio para os que perderam a dignidade de viver; outros a vêem como algo similar ao suicídio assistido. O termo "eutanásia" deriva do grego euthanasía e significa "boa morte", ou seja, uma morte sem sofrimento – mais precisamente, uma morte a fim de evitar um sofrimento desnecessário. Atualmente utilizam-se várias classificações para a eutanásia: eutanásia ativa e passiva; eutanásia voluntária, não-voluntária e involuntária. Muitos autores se referem ainda aos termos distanásia, mistanásia e ortotanásia. Entretanto, o presente trabalho tem por objetivo fixar o olhar apenas sobre a eutanásia voluntária (que em alguns casos também é ativa), já que esta enfrenta – talvez injustamente – uma situação de muita controvérsia e polêmica. Uma das razões para a não-aceitação da eutanásia voluntária reside no dogmatismo religioso. Outra razão é o paternalismo de alguns médicos contrários à eutanásia, que impedem que seus pacientes exerçam sua autonomia. O respeito pela autonomia da pessoa conjuga-se com o princípio de dignidade da natureza humana, aceitando que o ser humano é um fim em si mesmo, não somente um meio de satisfação de interesses comerciais, industriais, de terceiros, ou dos próprios profissionais e serviços de saúde. A autonomia deve ser compreendida como um espaço para a liberdade moral do indivíduo, estritamente ligada à dignidade humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARENDT, Hannah. A Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

BEAUCHAMP T. L., CHILDRESS J. F. Principles of Biomedical Ethics. 5th ed. Oxford: Oxford University Press, 2001.

CLOTET, J.; FEIJÓ, A.G.S.; OLIVEIRA, M.G. Bioética, uma visão panorâmica. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005.

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Prática. Rio de Janeiro: Edições 70, 1989. 195 p.

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. 5 ed. Lisboa: Editora FCG, 2001. 680 p.

KANT, Immanuel. Foundations of the Metaphysics of Morals. New York: The Liberal Arts Press, 1959. 93 p.

MACMAHAN, Jeff. The Ethics of Killing: Problems at the Margins of Life. Oxford: Oxford University Press, 2003.

MOORE, George Edward. Principia ethica. Lisboa: Editora FCG, 1999. 401 p.

SAMPEDRO, Ramón. Cartas desde el infierno. Barcelona: Editorial Planeta, 2004.

SINGER, Peter. Ética Prática. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

Downloads

Publicado

2009-10-20

Edição

Seção

Artigos