O entrelaçamento da memória e da informação no âmbito do processo de referência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/1981-1640.2020.v14n1.03.p37

Palavras-chave:

Memória, Informação, Processo de referência, Agir comunicativo, Processo dialógico

Resumo

A presente comunicação tem por objetivo refletir sobre o processo de referência, no qual compreende-se que as particularidades da memória e da informação se fazem presentes no decorrer do processo, como pontos que se entrelaçam e influenciam antes, durante ou mesmo depois do serviço de referência ser finalizado. Entende-se que é por intermédio do processo de referência que se tem o momento ímpar da comunicação interpessoal entre o usuário e o bibliotecário. Com base nessa relação entre os atores, a metodologia a ser aplicada é a análise das etapas existentes no processo de referência à luz de Denis Grogan, aliada a reflexão sobre as implicações conceituais da memória e da informação. Em complemento, é basilar o relacionamento do conceito de agir comunicativo e processo dialógico para refletir sobre a qualificação da comunicação interpessoal entre os atores, além de promover um estado de consciência informacional. As reflexões propostas são promissoras quanto à revisão do serviço de referência, a inovação do próprio conceito de comunicação interpessoal e a integração dos atores envolvidos no processo de referência com a biblioteca.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alex Medeiros Kornalewski, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Bacharel em Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2012). Mestre em Memória Social pelo Programa de Pós-Graduação em Memória Social, vinculado a linha Memória e Patrimônio pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2015). Doutorando em Memória Social pelo Programa de Pós-Graduação em Memória Social, vinculado a linha Memória, Subjetividade e Criação pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2016). Especialista em Informação Científica e Tecnológica em Saúde pela Fundação Oswaldo Cruz (2015) e bibliotecário no Centro de Estudos sobre tabaco e Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, da Fundação Oswaldo Cruz. Membro da Rede Nacional de Tanatologia (RNT) e membro do Comitê Executivo da Revista Morpheus - Estudos Interdisciplinares em Memória Social. Possui experiência em gerenciamento de biblioteca, com ênfase em serviços de informação, análise da informação e memória institucional. No âmbito acadêmico, participa do grupo de pesquisa O lugar do trauma nas fraturas de memória, desenvolvendo pesquisas nas seguintes linhas: os efeitos da prisão na ambientação do egresso do sistema penal no retorno à liberdade e violência e trauma social: acontecimento traumático, fraturas de memória e descontinuidade histórica

Francisco Ramos de Farias, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq – Nível 2 – CA PS, Doutor em
Psicologia pela Fundação Getúlio Vargas, coordenador e professor do Programa de Pós-
Graduação em Memória Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Referências

Assmann, A. Espaços da recordação: formas e trans-formações da memória cultural. Campinas, SP: Unicamp, (2011).

Baptista, S. G. and Cunha, M. B. da. Estudo de usuários: visão global dos métodos de coleta de dados. Perspectivas em Ciência da Informação, vol. 12, no. 2, mai./ago. 2007, p. 168-184.

Bazerman, M. Processo decisório. 8. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

Behr, A.; Moro, E. L. da S. and Estabel, l. B. Uma proposta de atendimento às necessidades de informação dos usuários da biblioteca escolar por meio do benchmarking e do sensemaking. Informação e Informação, vol. 15, no. 1, jun./jul. 2010, p. 37-54.

Bergson, H. A energia espiritual. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009.

Buber, M. Do diálogo e do dialógico. São Paulo: Perspectiva, 2014.

Buckland, M. Information as thing. Journal of the America Society for Information, vol. 42, no. 5, jun. 1991, p. 351-360.

Carvalho, M. S. Cinema Novo brasileiro. História do cinema mundial. Mascarello, F (org.). Campinas, SP: Papirus, 2006. p. 289-310.

Castro, E. V. de. Equívocos da identidade. O que é memória social? Gondar, J. and Dodebei, V. (org.) Rio de Janeiro: Contra Capa, 2005. p. 145-160.

Dodebei, D. Arquivo Vera Janacópulos: narrativa, mito e informação. Memória e espaço: trilhas do contemporâneo. Gondar, J. O. and Barrenecha, M. A. de (org.). Rio de Janeiro: 7Letras, 2003. p. 67-73.

Gasque, K. C. G. D. Letramento Informacional: pesquisa, reflexão e aprendizagem. Brasília, DF: FCI, 2012.

Gondar, J. Memória, poder e resistência. Memória e espaço: trilhas do contemporâneo. Gondar, J. and Barrenechea, M. A. de (org.). Rio de Janeiro: 7 Letras, 2003. p. 32-46.

Gondar, J. Cinco proposições sobre Memória Social. Por que memória social? Dodebei, V.; Farias, F. R. de, and Gondar, J. Rio de Janeiro: Híbrida, 2016. p. 19-40.

Grogan, D. A prática do serviço de referência. Brasília: Briquet de Lemos, 2001.

Habermas, J. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

Halbwachs, M. A memória coletiva. 2. ed. São Paulo: Centauro, 2006.

Le Coadic, Yves-François. A ciência da informação. 2. ed. Brasília, DF: Briquet de Lemos, 2004.

Le Goff, J. 2012. História e memória. 6. ed. Campinas, SP: Unicamp, 2012.

Martucci, E. M. Revisitando o trabalho de referência: uma contribuição teórica para a abordagem interpretativa de pesquisa. Perspectivas em Ciência da Informação., vol. 5, no. 1, jan./jun. 2000, 99-115.

Moraes, C. R. B. de, and Fadel, B. A informação no contexto organizacional: tipos, características e usos. Revista de Sistemas de Información y Documentación, vol.3, 2009, p. 61-65.

Moraes, L. B. de and Barbosa, R. R. Cultura informacional: um estudo em uma empresa de grande porte. ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 15. 2014. Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: UFMG, (2014) 1615-1632.

Parasuraman, A.; Zeithaml, V. and Berry, L. SERVQUAL: a multiple-item scale for measuring consumer perceptions of service quality. Journal of Retailing, vol. 64, no. 1, 1988, p. 12-40.

Passos, K. G. F. et. al. Avaliação da qualidade dos serviços em unidades de informação: proposição de uma metodologia. Informação e Informação, vol.18, no. 3, set./dez. 2013, p. 154-174.

Pollak, M. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos históricos, vol. 2, no. 3, 1989, p. 3-15.

Pollak, M. Memória e identidade social. Estudos históricos, vol. 5, no. 10, 1992, p. 200-212.

Sales, M. Em busca de um novo cinema português. Portugal: LabComBooks, 2010.

Satur, R. V.; Paiva, S. B. and Duarte, E. N. Informação imperfeita e seu impacto nas estratégias empresariais. Brazilian Journal of Information Studies: Research Trends, vol. 11, no. 2, 2017, p. 7-18. http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/5057. Accessed 18 jan. 2018.

Stair, R. and Reynolds, G. Princípios de sistema de informação. Rio de Janeiro: RTC, 1998.

Varela, A. Informação e construção da cidadania. Brasília: Thesaurus, 2007.

Downloads

Publicado

2020-03-27

Como Citar

Kornalewski, A. M., e F. R. de Farias. “O entrelaçamento Da memória E Da informação No âmbito Do Processo De Referência”. Brazilian Journal of Information Science, vol. 14, nº 1 Jan.-Mar, março de 2020, p. 37-56, doi:10.36311/1981-1640.2020.v14n1.03.p37.

Edição

Seção

Artigos
Bookmark and Share