Contribuições da Bibliometria ao tratamento de dados institucionais não sistematizados de produção científica

o caso do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP)

Autores

  • Rosangela Galdino Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo https://orcid.org/0000-0002-5538-6268
  • Leonardo Guimarães Garcia Universidade de São Paulo
  • Roniberto Morato do Amaral Universidade Federal de São Carlos

DOI:

https://doi.org/10.36311/1981-1640.2022.v16.e02146

Palavras-chave:

Indicador bibliométrico, Produção científica, Estudo de caso, IFSP

Resumo

De acordo com a literatura, um dos meios que as instituições podem utilizar para a compreensão em profundidade dos seus resultados, bem como as causas que os potencializam (ou limitam) é a bibliometria e a construção de indicadores bibliométricos de pesquisa. No entanto, há poucos estudos que ilustram, a partir de dados de uma instituição de pesquisa real, os benefícios que a bibliometria poderia proporcionar quando não há uma abordagem sistemática para o tratamento dos dados da produção científica realizada pela instituição. Nesse sentido, o objetivo desse trabalho foi ilustrar o potencial dos indicadores bibliométricos no tratamento de dados de produção científica de uma instituição de pesquisa que não realiza sistematicamente esse tratamento. Para tanto, o método utilizado foi o estudo de caso, a unidade caso foi o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) e a bibliometria foi utilizada como técnica de análise das informações. Os resultados mostram a criação e a interpretação, a partir dos dados brutos, de vários indicadores bibliométricos. Conclui-se que o uso da bibliometria pode converter dados não tratados em compreensão da pesquisa realizada pela instituição, bem como gerar insights úteis à ampliação dos seus resultados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosangela Galdino, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Mestre em Ciência, Tecnologia e Sociedade pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Graduação em Ciências da Informação e da Documentação pela Universidade de São Paulo (USP/FFCLRP). Desde 2014 atua como bibliotecária-documentalista no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) e exerce a função de coordenadora da biblioteca no IFSP Campus Piracicaba desde 2017.

Leonardo Guimarães Garcia, Universidade de São Paulo

Doutor pela UFSCar na área de Informação Tecnológica e Estratégica, atualmente sou professor e pesquisador (RDIDP) da USP de Ribeirão Preto, junto ao curso de Biblioteconomia e Ciência da Informação. Atuo na área de Inteligência Competitiva, com foco nos processos empreendedores de implantação de unidades de inteligência em organizações.

Roniberto Morato do Amaral, Universidade Federal de São Carlos

Professor Associado da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), vinculado ao Departamento de Ciência da Informação. Pesquisador do Núcleo de Informação Tecnológica em Materiais da UFSCar (NIT/Materiais). Doutor (2010) e Mestre (2006) em Engenharia de Produção e Bibliotecário (2003) pela UFSCar. Atuo na investigação da atividade de Inteligência Competitiva com base na abordagem das competências e sua aplicação à gestão tecnológica e inovação, por intermédio da elaboração e análise de indicadores de produção científica e tecnológica.

Referências

Agência FAPESP. Dezenove brasileiros integram a lista ‘Pesquisadores Altamente Citados 2020’. Agência FAPESP, 2020, https://agencia.fapesp.br/dezenove-brasileiros-integram-a-lista-pesquisadores-altamente-citados-2020/34651/. Acessado 27 dez. 2020.

Bentin, Priscila. “O Ensino de Graduação nos Institutos Federais”. As políticas públicas e o papel social dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Organizado por Maylta Brandão dos Anjos e Giselle Rôças. Editora do IFRN, 2017, pp. 134-159.

Brasil. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Presidência da República, 2008, http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/lei_11892_ifets.pdf. Acessado 03 set. 2018.

Brasil. Guia metodológico para indicadores: orientações básicas aplicadas à metodologia do plano plurianual 2016-2019. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão Coordenação de documentação e Informação, 2018.

Fonseca, Celso Suckow da. História do Ensino Industrial no Brasil. Senai, Departamento Nacional, Divisão de Pesquisas, Estudos e Avaliação, 1986.

Gil, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. Atlas, 2010.

Glänzel, Wolfgang. Bibliometrics as a research field: a course on theory and application of bibliometric indicators. Course handouts, 2003, http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.97.5311&rep=rep1&type=pdf. Acessado 03 abr. 2019.

Grácio, Maria Cláudia Cabrini, et al. “As Redes de Colaboração Científica nos Rankings Universitários e a América Latina”. Repensar a universidade: desempenho acadêmico e comparações internacionais. Organizado por Jacques Markovitch. Com-Arte; FAPESP, 2018, pp. 127-145, https://metricas.usp.br/assets/docs/Miolo_Repensar_Universidade.pdf. Acessado 11 abr. 2022.

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. Diretoria de Pesquisa. 2019, https://prp.ifsp.edu.br/diretoria-de-pesquisa. Acessado 10 mar. 2019.

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. Resolução n° 57/2017 de 04 de julho de 2017. Reitoria, 2017.

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. Sobre o campus. IFSP, 2018, https://ifsp.edu.br/sobre-o-campus. Acessado 02 out. 2019.

Markovitch, Jacques. “Monitoramento das métricas de desempenho acadêmico”. Repensar a universidade: desempenho acadêmico e comparações internacionais. Organizado por Jacques Markovitch. Com-Arte; FAPESP, 2018. pp. 95-109, https://metricas.usp.br/assets/docs/Miolo_Repensar_Universidade.pdf. Acessado 11 abr. 2022.

Ministério da Educação. Expansão da rede federal. 2018, http://redefederal.mec.gov.br/expansao-da-rede-federal. Acessado 23 maio 2020.

Mugnaini, Rogério, et al. “Indicadores bibliométricos da produção científica brasileira: uma análise a partir da base pascal”. Ciência da Informação, vol. 33, no. 2, 2004, pp. 123–131, http://www.scielo.br/pdf/ci/v33n2/a13v33n2.pdf. Acessado 20 nov. 2019.

Okubo, Yoshiko. Bibliometric indicators and analysis of research systems: methods and examples. OCDE/GD, 1997.

Porter, Alan, e Palop, Fernando. “Mineração de textos para decisões de gestão de pesquisa e tecnologia - tech mining com a ajuda de software Vantage Point”. Anais do 3° Encontro Brasileiro de Bibliometria e Cientometria. Gramado: UFRGS, 2012, http://www.ufrgs.br/ebbc2012/arquivos/workshop-2. Acessado 20 maio 2019.

Rostaing, Hervé. La bibliométrie et sestechniques. Sciences de la Société, 1996.

Spinak, Ernesto. Dicionário enciclopédico de bibliometría, cienciometría e informetría. UNESCO CII/II, 1996.

Spinak, Ernesto. “Indicadores cienciométricos”. Ciência da Informação, vol. 27, no. 2, 1998, pp. 141-148, http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/795/826. Acessado 03 abr. 2019.

Yepes, José López. Diccionario enciclopédico de ciencias de la documentación. Síntesis, 2004.

Downloads

Publicado

2022-04-13

Como Citar

Galdino, R., L. G. Garcia, e R. M. do Amaral. “Contribuições Da Bibliometria Ao Tratamento De Dados Institucionais não Sistematizados De produção científica: O Caso Do Instituto Federal De Educação, Ciência E Tecnologia De São Paulo (IFSP)”. Brazilian Journal of Information Science: Research Trends, vol. 16, abril de 2022, p. e02146, doi:10.36311/1981-1640.2022.v16.e02146.