O contencioso Brasil x União Europeia do açúcar na OMC

Autores

  • Marcelo Fernandes de Oliveira Unesp-Marília

DOI:

https://doi.org/10.36311/2237-7743.2019.v8n3.p669-687

Palavras-chave:

Brasil, União Europeia, OMC, Açúcar, G-20 agrícola

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar como a diplomacia brasileira contestou os subsídios da Política Agrícola Comum (PAC) da União Européia no contencioso do açúcar na Organização Mundial do Comércio (OMC) durante a transição da era FHC (1995-2002) para a era Lula (2003-2010). Os desdobramentos desta empreitada geraram dois resultados: 1º) a União Européia incorporou as indicações do Órgão de Solução de Controvérsias da OMC e corrigiu as distorções apontadas pelo Brasil que estavam fora das regras de comércio agrícola internacional; e 2º) o contencioso serviu à aproximação dos países em desenvolvimento, facilitando a criação do G-20 agrícola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marcelo Fernandes de Oliveira, Unesp-Marília

É Livre Docente em Teoria das Relações Internacionais, Professor da UNESP – Campus de Marília e Pesquisador do IGEPRI (Instituto de Gestão Pública e Relações Internacionais – www.igepri.org).

Referências

ADLER, E. (1997), Seizing the middle ground: constructivism in world politics. European Journal of International Relations (London), v.3, n.3.

ALMOND, G.; DALTON, R.; POWELL, G.B.; STROM, K. (2006), “Interest articulation” e “Interest aggregation and political parties”, In Comparative Politics Today, New York, Pearson / Longman.

BECAK, Peggy.(2007), Evolução das relações comerciais Brasil – Estados Unidos de 1945 a 1995: no contexto da política externa e dos “interesses nacionais”. Tese de Doutorado Departamento de História. São Paulo: FFLCH - USP.

CHECKEL, J. T. (1998), The constructivist turn in international relations theory. World Politics (New York), n.50.

FINANCEONE. “Brasil comemora abertura de mercado ao açúcar”. 29 de abril de 2005. Disponível em http://www.financeone.com.br/noticia.php?lang=br&nid=13565. Acessado em 30/04/2005.

FINANCIAL TIMES (Editorial). OMC concorda que subsídios para algodão são um escândalo. Financial Times, 28 de abr. 2004. Disponível em < http://noticias.uol.com.br/midiaglobal/fintimes/ult579u1109.jhtm>. Acesso em 28.04.04.

FOLHA DE S. PAULO (Redação). Bush arma contra-ataque à vitória do Brasil. Folha de S. Paulo, São Paulo, 29 de abr. 2004. Disponível em <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro/fi2904200436.htm>. Acesso em 29.04.04.

FOLHA DE S. PAULO. “Vitória do país é comemorada pelos africanos”. Folha de S. Paulo, São Paulo, 19 de junho de 2004. Disponível em <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro/fi1906200436.htm>. Acesso em 19/06/2004.

Fordham, B., & McKeown, T. (2003). Selection and Influence: Interest Groups and Congressional Voting on Trade Policy. International Organization, 57(3), 519-549. doi:10.1017/S0020818303573076

FRIMAN, H. R. (1993), “Side-Payments Versus Security Cards: Domestic Bargaining Tactics In International Economic Negotiations”. In: International Organization, v.47, n4, p.387-410.

HAAS, P. M. (1992) “Introduction: Epistemic Communities and International Policy Coordination”. International Organization, 46, 1-37.

ICONE. “A política comercial brasileira e as negociações internacionais”. Disponível em: http://www.iconebrasil.org.br/Apresentações/OCB_Goiania_Jank_Jun05(res).pdf Acessado em: 09/04/2005-a.

ICONE. “Quem somos”. Disponível em: http://www.iconebrasil.org.br/portugues/conteudo.asp?idCategoria=2 Acessado em: 20/06/2005-b.

KIM, Jin-Hyuk (2008), Corporate lobbying revisited. Business and Politics The Berkeley Electronic Press. Vol. 10, issue 02, article 03.

LANDIM, R. UE amplia para US$ 2,9 bi a oferta agrícola ao Mercosul. Valor Econômico. 06/05/2004.

LEO, S. e LANDIM, R. Decisão da OMC não encerra caso do algodão. Valor Econômico, São Paulo, 15 de jun. 2004. Brasil, p. A5.

LIMA, T. “As relações entre Executivo, Legislativo e grupos de interesse norte-americanos no contencioso do algodão”. Cadernos CEDEC, nº 73. CEDEC: São Paulo, 2005.

MARTIN, L. (2000), Democratic commitments: legislature and international cooperation. Princeton, Princeton University.

MILNER, H. V.(1997), Interests, institutions and information. Domestic politics and international relations, Princeton, Princenton University Press.

OLIVEIRA, M. F. Mercosul: atores políticos e grupos de interesse brasileiros. São Paulo: Unesp, 2003.

OLIVEIRA, Marcelo Fernandes de and LUVIZOTTO, Caroline Klaus (2011). Cooperação técnica internacional: aportes teóricos. Rev. bras. polít. int. [online]. 2011, vol.54, n.2 [cited 2015-03-06], pp. 05-21 . Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73292011000200001&lng=en&nrm=iso>. ISSN 0034-7329. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-73292011000200001.

OMC - DS267, 2002. Disponível em <http://www.wto.org/english/tratop_e/dispu_e/dispu_subjects_index_e.htm#bkmk33>. Acesso em 04/05/04.

OXFAM. Fidindg the moral fiber. Why reform is urgently needed for a fair cotton trade. Oxfam briefing paper, nº 69. Outubro de 2004.

PUTNAM, Robert (1993), Diplomacy and domestics politics – The logic of Two Level Games. In: EVANS, Philip; JACOBSON, Harold K.; PUTNAM, Robert. Double-Edged Diplomacy – International Bargaining and Domestics Politics. Los Angeles: University of California Press.

RICUPERO, R. O prêmio da coragem. Folha de S. Paulo, São Paulo, 2 de maio de 2004. Disponível em <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro/fi0205200403.htm>. Acesso em 02.05.04.

RISSE-KAPPEN, T. (1990). “Public Opinion, Domestic Structure, and Foreign Policy in Liberal Democracies”. In: World Politics. vol. 43. Baltimore, MD: The John Hopkins University Press.

ROGOWSKI, R. (1990), Commerce and Coalitions How Trade Affects Domestic Political Alignments. Princeton, N.J.: Princeton University Press.

THOMAZ, Lais Forti. (2010), “As influências dos produtores estadunidenses de milho na formulação da política de comércio internacional agrícola dos EUA entre 2002 e 2009”. Faculdade de Filosofia e Ciências – UNESP – Campus de Marília: Trabalho de Conclusão de Curso de Bacharelado em Relações Internacionais.

TRIBUNA DA IMPRENSA. Brasil vence mais uma disputa na OMC, desta vez contra a UE. 05/08/2004. Disponível em: http://www.tribuna.inf.br Acessado em 12/12/2004.

UNICA. “Safra do Centro-Sul é maior e mais alcooleira”. Disponível em: http://www.unica.com.br/pages/coletivas_2003_11_12.asp

VALOR ECONÔMICO. “EUA insinuam que podem manter ajuda ao algodão”. São Paulo, A-5, 15 de junho de 2004-b.

VALOR ECONÔMICO. “EUA podem levar anos para reduzir subsídios condenados”. São Paulo, A-5, 28 de abril de 2004-a.

WENDT, A. (1994), Collective identity, formation and the international state. American Political Science Review (Washington), v.88, n.2.

Downloads

Publicado

2020-01-12

Como Citar

FERNANDES DE OLIVEIRA, M. O contencioso Brasil x União Europeia do açúcar na OMC. Brazilian Journal of International Relations, Marília, SP, v. 8, n. 3, p. 669–687, 2020. DOI: 10.36311/2237-7743.2019.v8n3.p669-687. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/bjir/article/view/13360. Acesso em: 3 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)