FORMAÇÃO DOS ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA ATUAÇÃO COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM ESTUDO FOCADO EM UNIVERSIDADES FEDERAIS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/2674-8681.2021.v22n2.p237-252

Palavras-chave:

Atividade Motora Adaptada, Formação Profissional, Atuação Profissional, Inclusão

Resumo

Investigamos a formação dos acadêmicos de Educação Física na área de Educação Física Adaptada (EFA), através de busca e análise de propostas curriculares, ementários e projetos pedagógicos dos cursos de Educação Física presenciais das universidades federais autorizadas pelo Ministério da Educação (MEC). Os dados foram organizados em planilha específica, sendo a análise desses dados realizada por meio de estatística descritiva (distribuição de frequência, média±desvio padrão, mediana, mínimo e máximo). No estudo foram encontrados 72 cursos de Educação Física com habilitação em licenciatura (n = 38; 53%) e bacharelado (n = 34; 47%). A terminologia mais comumente utilizada é “Educação Física Adaptada” (n = 29; 40%). A oferta das disciplinas ocorre com maior incidência no 5º (n = 21; 29%) e no 6º (n = 15; 21%) período/semestre. A carga horária média das disciplinas foi 60±14 hs (mínimo = 30 hs; máximo = 96 hs) e a mediana do número de créditos foi 4 (mínimo = 2; máximo = 6). Concluímos que ofertar uma disciplina obrigatória com carga horária reduzida e nos períodos finais do curso não proporciona aprofundamento necessário para formação ideal nessa área de atuação.

Recebido em: 17/09/2020
Reformulado em: 01/01/2021
Aceito em: 02/02/2021

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUIAR, J.S.; DUARTE, E. Educação inclusiva: Um estudo na área da educação física. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v.11, n.2, p.223-240, Mai. - Ago. 2005.

ARAUJO, P. F. Desporto adaptado no Brasil. São Paulo: Phorte. 2011.

BORELLA, D. R. Atividade Física Adaptada no contexto das matrizes curriculares dos cursos de Educação Física / Douglas Roberto Borella. -- São Carlos: UFSCar, 2010.

BRASIL, Senado Federal. Decreto N° 72.425, de 3 de julho de 1973. Brasília: MEC, 1973.

BRASIL, Resolução n°3, de 16 de junho de 1987. Diário Oficial n. 172, Brasília, 1987.

BRASIL, Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, 23 de dezembro de 1996.

BRASIL, Parecer CNE/CES 0058/2004, de 18 de fevereiro de 2004. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores de Educação Básica, e nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União, Brasília, 5 de abril de 2004.

BRASIL, Resolução CNE/CP 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores de Educação Básica, e nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União, Brasília, 4 de março de 2002.

COSTA, A. M.; SOUSA, S. B. Educação física e esporte adaptado: História, avanços e retrocessos em relação aos princípios da integração/inclusão e perspectivas para o século XXI. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 25, n. 3, p. 27-42, maio 2004.

CÔTÉ, J.; SALMELA, J. H.; BARIA, A.; RUSSELL, S. J. Organizing and interpreting unstructured qualitative data. The Sport Psychologist, Champaign, v. 7, n. 2, p. 127-137, 1993.

CRUZ, G. C.; FERREIRA, J. R. Processo de formação continuada de professores de educação física em contexto educacional inclusivo. Revista Brasileira de Educação Física Especial, São Paulo, v.19, n.2, p.163-80, 2005.

DUARTE, E.; LIMA, S. T. Atividade Física para Pessoas com Necessidades Especiais. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.

FILUS, J.; MARTINS JUNIOR, J. Reflexões sobre a formação em educação física e a sua aplicação no trabalho junto às pessoas com deficiência. Revista da educação física, Maringá, v. 15, n. 2, p. 79-87, 2004.

GHILARDI, R. Formação profissional em Educação Física: a relação teoria e prática. Revista Motriz, n. 1, v. 4, p. 1-10, 1998.

GORGATTI, M. G.; COSTA, R. F. Atividade física adaptada. Barueri – SP: Manole, 2005.

GREGUOL, M.; GOBBI, E.; CARRARO, A. Formação de professores para a Educação Especial: uma discussão sobre os modelos Brasileiro e Italiano. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 19, n. 3, p. 307-324, Jul.-Set., 2013.

MAHL, E. Práticas pedagógicas dos professores de educação física frente à inclusão de alunos com deficiência / Eliane Mahl. --. São Carlos: UFSCar, 2012.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5ª Ed. São Paulo: Editora Atlas, 2003.

MAUERBERGdeCASTRO, E. Atividade física Adaptada. 2ª Ed.; Ribeirão Preto – SP; Novo Conceito Editora, 2011.

MAZZOTTA, M. J. S. Educação Especial no Brasil: história e políticas públicas. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2003.

PACHECO, K. M. B., ALVES, V. L. R. A história da deficiência, da marginalização à inclusão social: uma mudança de paradigma. Acta Fisiatrica, v. 14, n. 4, p. 242-248. 2007.

PEDRINELLI, V. J. VERENGUER, R. C. G. Educação Física Adaptada: introdução ao universo das possibilidades. In: GORGATTI, M. G; COSTA, R. F. Atividade Física Adaptada. Barueri - SP: Manole, p.1-27. 2005.

RIBEIRO, S. M.; ARAÚJO, P. F. A formação acadêmica refletindo na expansão do desporto adaptado: uma abordagem brasileira. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, SC, v. 25, n. 3, jul. p. 57-69. 2008.

ROSSI, F.; HUNGER, D. A formação continuada de professores: entre o real e o “ideal”. Revista Pensar a Prática, Goiânia, v. 15, n. 4, 2012.

SEAMAN, J. A.; DEPAUW, K. The new adapted physical education: a developmental approach. California: Mayfield Publishing Company. 1982.

SILVA, C. S.; SOUZA NETO, S.; DRIGO, A, J.; Os professores de Educação Física Adaptada e os saberes docentes. Revista Motriz, Rio Claro, v.15 n.3 p.481-492, jul./set. 2009.

SILVA, E. B. Reflexão da atividade motora adaptada no ensino superior: Breve relato. Revista da Sobama, v.13, n.12, p.1-4, Dez 2012.

SILVA, R. F.; ARAÚJO, P. F. Os caminhos da pesquisa em atividade motora adaptada. São Paulo: Phorte, 2012.

SILVA, R. F.; SEABRA JÚNIOR, L.; ARAÚJO, P.F. Educação Física Adaptada no Brasil: da história à inclusão educacional. São Paulo: Phorte Editora, 2008.

SIMIM, M. A. M.; Exercício, Esporte e Inclusão: a formação do profissional de educação física e o esporte adaptado. In: Franco Noce. (Org.). O profissional de educação física na área da saúde. 1ed. Belo Horizonte: EEFFTO, 2014, v. 1, p. 71-83.

SOUZA, C. J. Entre o Adaptar e o Incluir: uma Abordagem Interdisciplinar da Disciplina de Educação Física Adaptada. Revista da Sobama, Marília, v. 15, n. 1, p. 31-34, 2014.

STRAPASSON, A. M.; CARNIEL, F. A Educação Física na Educação Especial. Revista Digital. Buenos Aires. Ano 11, nº 104. Jan 2007.

VEREGUER, R. C. G. Reestruturação produtiva, relações de trabalho e intervenção profissional. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, Ano 4, n. 4, 2005.

TANI, G. Avaliação das condições de ensino de graduação em educação física: garantia de uma formação de qualidade. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, v. 6, p. 55-70, 2007.

TANI, G. Professional preparation in physical education: changing labor market and competence. Motriz: Revista de Educação Física (online),v.19, n.3, p.552-557, 2013.

WINNICK, J. Educação Física e Esportes Adaptados. Barueri: Manole, 2004.

Downloads

Publicado

2021-05-04 — Atualizado em 2021-05-05

Versões