É Possível a Prevenção à Violência na Escola? Um Estudo Teórico Comparativo entre o Programa Faustlos e Jogos de Sentimentos Baseados na Epistemologia Genética de Piaget

Autores

  • Luciene Regina Paulino Tognetta Universidade Estadual de Campinas
  • Ana Cristina Buck Marzagão Barbuto Universidade de Franca
  • Maria Fernanda Klaumann Canovas Universidade de Franca

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-1655.2010.v3n5.1971

Palavras-chave:

Psicologia Genética; Psicologia Moral; Violência; Afetividade; Programa de Prevenção

Resumo

Agressões físicas e verbais, relações violentas entre crianças e adolescentes parecem já fazer parte do cotidiano das escolas. Diante disso, como fazer para que crianças e adolescentes possam se relacionar sem fazer o uso da violência física ou verbal? Seria possível um programa de prevenção à violência? Visando buscar na literatura de Psicologia Moral as respostas para tais indagações, o presente estudo teórico, de caráter qualitativo, tem por finalidade comparar dois programas que envolvem tais questões: o programa de prevenção à violência Faustlos e o trabalho com sentimentos na escola numa perspectiva piagetiana. Faustlos, uma versão alemã para Projeto americano Second Step. Baseado na teoria cognitivo-comportamental visa desenvolver habilidades sociais e diminuir a incidência de comportamentos antissociais por meio do modelo de outras crianças ou de adultos, de sua experiência pessoal e do reforço a comportamentos desejados. A segunda proposta, baseada na epistemologia e psicologia genética de Jean Piaget, consiste em um trabalho com os aspectos afetivos que permite a manifestação de sentimentos e a construção de valores a partir de situações cotidianas vivenciadas por crianças e adolescentes em contraponto ao projeto Faustlos que prioriza falar de sentimentos em situações fictícias e não necessariamente significativas para a criança no momento da atividade. Trata-se de um estudo bibliográfico em que são elencados os elementos chaves de dois projetos, dentre outros, em contraposição e distinguidas suas principais diferenças e características.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. São Paulo: Summus, 1996.
BERGIER, B. René Descartes: cultiver ou forcer la volonté? In XYPAS, C.,
Éducation et valeurs – approches plurielles. Paris: Anthropos, 1996.
CIERPKA, M. FAUSTLOS. Ein Curriculum zur Prävention von agressiven und
gewaltbereitem Verhalten bei Kindern der Klassen 1 bis 3. Göttingen: Hogrefe-Verlag
GmbH&Co. KG, 2001.
COMTE-SPONVILLE, A. Pequeno tratado das grandes virtudes. São Paulo: Martins
Fontes, 1995.
DUBET, f. Quando o sociólogo quer saber o que é ser professor moral. Psicologia
Ciência e Profissão, v. 27, no. 04. P. 584-595, dezembro, 2009.
GILLIGAN, C. Uma voz diferente. Rio de Janeiro: Rosa dos Ventos, 1982.
Volume 3 Número 5 – Jan-Jul/2010 152
www.marilia.unesp.br/scheme
ISSN: 1984-1655
GONÇALVES, M. A. S. et al. Violência na escola, práticas educativas e
formação do professor. In : Cad. Pesqui., São Paulo, 35 (126), 635-658, dez./2005.
Recuperado em 14 de setembro de 2009. Disponível em: SciELO (Scientific
Electronic Library Online): http://www.scielo.br/scielo/.
KANT, E. Métaphysique des moeurs - première partie. Paris: Flamarion,
1785/1994
KOLLER, S. H., BERNARDES, N. M. G. Desenvolvimento moral pró-social:
semelhanças e diferenças entre os modelos teóricos de Eisenberg e Kohlberg.
Estudos de Psicologia. Natal, 2 (2), dez 1997, 223-262. Recuperado em 30 de agosto
de 2009. Disponível em SciELO (Scientific Electronic Library Online):
http://www.scielo.br/scielo/.
LA TAILLE, Y. A importância da generosidade no início da gênese da
moralidade na criança. Psicologia: reflexão e crítica. Universidade Federal do Rio
Grande do Sul. Porto Alegre, V.19, n.1, p. 9-17, 2006.
LA TAILLE, Y. Vergonha: a ferida moral. Petrópolis: Vozes, 2002.
LA TAILLE, Y. Moral e ética: dimensões intelectuais e afetivas. Porto Alegre:
Artmed, 2008.
PIAGET, J. El psicoanálisis y sus relaciones con la psicología del niño. In
DELAHANTY, G. P. (comp.). Piaget y el psicoanálisis. México: Universidad
Autónoma Metropolitana, 1994.
PIAGET, J. O juízo moral na criança. 2. ed. São Paulo: Summus Editorial,
1932/1994.
PIAGET, J. Las relaciones entre la inteligencia y la afectividad en el desarrollo
mental del ninõ. In: DELAHANTY, G. PERRËS (comp). Piaget y el psicoanálisis.
México: Universidade Autonoma Metropolitana, 1952/1994.
RICOEUR, P. Soi-même comme un autre. Paris: Éditions du Seuil, 1990.
SAMPAIO, L. R. A Psicologia e a educação moral. Psicologia: Ciência e Profissão,
27(4), 584-595, dezembro, 2007.
TOGNETTA, L. R. P. A construção da solidariedade e a educação do sentimento na
escola. Campinas: Mercado de Letras, 2003.
TOGNETTA, L. R. P. Perspectiva Ética e generosidade. Campinas: Mercado de
Letras, 2009a.
Volume 3 Número 5 – Jan-Jul/2010 153
www.marilia.unesp.br/scheme
ISSN: 1984-1655
TOGNETTA, L. R. P. A formação da personalidade ética: estratégias de trabalho
com afetividade na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2009b.
TOGNETTA, L. R. P.; LA TAILLE, Y. A formação da personalidade ética:
representações de si e moral. Psicologia: Teoria e Pesquisa; v. 24, n.2,p. 181-188,
Junho, 2008.
TUGENDHAT, E. Lições sobre ética. Petrópolis: Vozes, 1999.
TURIEL, E. The development of knowledge: morality and convention. Cambridge:
Cambridge University Press, 1993.
WILLIAMS, B. L’éthique et les limites de la philosophie. Paris: Gallimard, 1990.

Downloads

Edição

Seção

Artigos