A ELABORAÇÃO AFETIVA DA CRIANÇA: INDICADORES COGNITIVOS DA TEORIA DE JEAN PIAGET NA CLÍNICA INFANTIL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-1655.2021.v13n1.p176-208

Palavras-chave:

Elaboração Afetiva, Indicadores Cognitivos, Clínica Infantil

Resumo

Partimos do pressuposto que as noções de espaço, tempo e de causalidade analisadas a partir do ludodiagnóstico, segundo a teoria de Jean Piaget, contribuem como indicadores para a investigação clínica da possibilidade de elaboração afetiva diante de situações traumáticas. Para tal, foram analisados 25 protocolos de ludodiagnósticos de crianças de 5 a 12 anos, de ambos os sexos, na situação de hospitalização e em um centro de atenção básica da Cidade de São Paulo. As crianças do hospital estavam em média de 15 a 20 dias hospitalizadas em função de cirurgia de cardiopatia e as do centro de atendimento básico eram crianças abrigadas, com histórico de violência doméstica e que compareceram para acompanhamento clínico de rotina com a pediatra e a psicóloga, ou seja, para um serviço de atendimento compartilhado. As crianças foram observadas no
contexto livre lúdico através de materiais, conforme previsto pela técnica ludodiagnóstica. As análises dos registros lúdicos ofereceram os seguintes resultados: 1. Verificamos a possibilidade da identificação das noções espaço, temporais e causais. 2. Oferece aos profissionais instrumentos para avaliação diagnóstica, confirmando ou não certas prescrições terapêuticas, como por exemplo, a psicoterapia infantil. 3. Possibilita analisar como se encontra a representação das vivencias infantis permitindo verificar como se encontra o processo de elaboração afetiva de situações traumáticas, logo, o estabelecimento de critérios para a intervenção clínica. Concluímos que o ludodiagnóstico, oferece ao terapeuta condições de investigar as relações afeto-cognição da criança fornecendo elementos de encaminhamento e de aderência terapêutica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABERASTURY, A. (1962) Teoria y técnica Del psicoanalisis de niños. 6. ed. Buenos Aires: Paidós, 1978.

AFFONSO, R.M.L. Da importância de se considerar, no ludodiagnóstico, as representações da criança no que concerne a espaço, tempo e causalidade a acepção de Jean Piaget. Tese (Doutorado). Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, 1994.

______. Alguns indicadores para o diagnóstico e reabilitação psicossocial de crianças com problemas na representação da construção do real. 2006. PósDoutorado. Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

______. Políticas Avaliativas e as Teorias Psicogenéticas: a avaliação das vivências do ser humano. In: MELO, M.M. (org), Avaliação na Educação, Pinhais: Ed. Melo, 2007, pág. 193-199.

______. Ludodiagnóstico: Análise Cognitiva das Representações Infantis. São Paulo: Ed. Vetor, 2011.

______. Ludodiagnóstico: investigação clínica através do brinquedo. Porto Alegre: ARTMED, 2012.

______. O comportamento hiperativo, a violência doméstica e os problemas de representação. Schème: revista eletrônica de psicologia e epistemologia genéticas, v. 10, p. 110-151, 2018.

BION, W. (1962) O aprender com a experiência. Trad. de Paulo Dias Corrêa. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

BRASIL. Lei 11.104, de 21 de março de 2005. Dispões sobre a obrigatoriedade de instalação de brinquedotecas nas unidades de saúde que ofereçam atendimento pediátrico em regime de internação. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 21/03/2005.

CID-10 Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. São Paulo: EDUSP, 1997.

DONGO MONTOYA, A. O. Piaget e a Criança Favelada, Petrópolis: Ed. Vozes, 1996.

DONGO MONTOYA, A. O. Piaget: imagem mental e construção do conhecimento, Marília: Ed. Unesp,2005.

EFRON, A. M. et al. La hora de juego diagnóstica. In: OCAMPO, M. S. et al. Las técnicas proyectivas y el proceso psicodiagnóstico. 4. ed. Buenos Aires: Nueva Visión, 1976, vol I, p. 195-221.

FREUD, S. (1905) Tres ensayos para una teoria sexual. In: FREUD, S. Obras Completas. Trad. De Luiz Lopez-Ballesteros y de Torres. 3 ed. Madrid, Biblioteca Nueva, 1973, v II, p. 1169-12.

FREUD, S. (1909) Analisis de la fobia de un niño de cinco años. In: FREUD, S. Obras Completas. Trad. De Luiz Lopez-Ballesteros y de Torres. 3 ed. Madrid, Biblioteca Nueva, 1973, v II, p. 1365-1440.

FREUD, S. (1914) Recuerdo, repeticion y elaboracion. In: FREUD, S. Obras Completas. Trad. Luis Lopez- Ballesteros y de Torres. 3. ed. Madrid, 1973, Biblioteca Nueva, v. II, 1683-1688.

FREUD, S. (1920) Mas alla del principio del placer. In: FREUD, S. Obras Completas. Trad. De Luiz Lopez-Ballesteros y de Torres. 3 ed. Madrid, Biblioteca Nueva, 1973, v III, p. 2057-2541.

GREEN, A. Conferências brasileiras de André Green: metapsicologia dos limites. Trad. Helena B. Viana. Rio de Janeiro: Imago, 1990.

HAUDENSCHILD, T. Refazendo passos iniciais na constituição da realidade psíquica, na análise de uma criança de 6 anos. In: ______. O primeiro olhar. São Paulo: Escuta, 2015, p. 147-181.

KLEIN, M. (1929) A personificação nos jogos das crianças. In: KLEIN, M. Contribuições à psicanálise. Trad. de Miguel Maillet. São Paulo, Mestre Jou, 1970, p. 269-282.

KLEIN, M. (1930) A importância da formação dos símbolos no desenvolvimento do ego. In: KLEIN, M. Contribuições à psicanálise. Trad. de Miguel Maillet. São Paulo, Mestre Jou, 1970, p. 295-313.

KLEIN, M. (1931). Uma contribuição à teoria da inibição intelectual. In: KLEIN, M. Contribuições à psicanálise. Trad. de Miguel Maillet. São Paulo, Mestre Jou, 1970, p. 319-333.

KLEIN, M. (1932) Psicanálise da criança. Trad. Pola Civeli. 2a. ed. São Paulo, Mestre Jou, 1975.

MAHLER, M. S. O processo de separação-individuação. Porto Alegre: Jorge Zahar, 1982.

______. As psicoses infantis e outros estudos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1983.

MIURA, P. O. et al. Cumulative vulnerability: a case study on intrafamilial violence, drug addiction and adolescent pregnancy. Revista da Escola de Enfermagem da USP. v. 8, n. esp. 2, p. 53-58, 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-623420140000800009.

MIURA, P. O.; TARDIVO, L. S. D. L. P.; BARRIENTOS, D. M. S. El sufrimiento psíquico de las madres adolescentes acogidas institucionalmente. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental. [online]. v. 20, n. 2, p. 331-348, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/1415-4714.2017v20n2p331-8.

OLIVEIRA, V. M. B. O Símbolo e o brinquedo: a representação da vida , 3.ed. Petrópolis, Ed Vozes, 2020.

PIAGET, J. (1923) Le langage et la pensée chez l'enfant. 3. ed. Neuchâtel-Paris: Delachaux et Niestlé, 1948.

______. (1926) La représentation du monde chez l'enfant. Paris, Presses Universitaires de France, 1972.

______. (1936) La naissance de l’intelligence chez l’enfant. 4 ed. Neuchâtel et Paris, Delachaux et Niestlé, 1963.

______. (1937) La construction du réel chez l'enfant. 2. ed. Neuchâtel et Paris: Delachaux et Niestlé, 1950.

______. (1937) A construção do real na criança. Trad. Álvaro Cabral. Rio de janeiro, Zahar, 1973.

______. (1946) La formation du symbole chez l'enfant. 6. ed. Neuchâtel et Paris: Delachaux et Niestlé,1976.

RAMOZZI-CHIAROTTINO, Z. Em busca do sentido da obra de Jean Piaget. São Paulo: Ática, 1984.

______. Psicologia e epistemologia genética de Jean Piaget. São Paulo: EPU, Temas Básicos de Psicologia, 19, 1988.

______. Piaget segundo seus próprios argumentos. Psicologia USP, v. 21, n. 1, p. 11-30, jan./mar. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-65642010000100002.

______. Psico-social ou psicossocial? A questão do hífen e do bio-psico-social, ou da questão ortográfica à epistemologia. In: SILVA JÚNIOR, N. da; ZANGARI, W. (Orgs.). A psicologia social e a questão do hífen. São Paulo: Blucher, 2017, p. 58 -68. DOI: 10.5151/9788580392357-04.

TARDIVO, L. S. D. L. P. O brinquedo e o desenho: expressão e comunicação de e com crianças. In: AFFONSO, R. M. L. Ludodiagnóstico: investigação clínica através do brinquedo. Porto Alegre: Artmed, 2012, p.175- 191.

TARDIVO, L.S.D.L.P. O Desenho da Figura Humana em Crianças e Adolescentes Vítimas de Violência Doméstica. BolAcad. Paulista de Psicologia, São Paulo, Brasil, 2017, v.37, n. 92, p 63-78.

TEIXEIRA, S. R. de O. Brinquedoteca hospitalar na cidade de São Paulo: exigências legais e a realidade. 2018. 377 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade da Educação. Universidade de São Paulo, São Paulo.

VIEGAS, D. (Org.). Brinquedoteca Hospitalar: isto é humanização. Rio de Janeiro: WAP, 2007.

WINNICOTT, D.W. Consultas Terapêuticas em Psiquiatria Infantil. Trad. Joseti Marques Xistos Cunha. Rio de Janeiro: Ed Imago, 1984/1971.

Downloads

Publicado

2021-07-08

Edição

Seção

Artigos