Educação e Reforma Agrária no Movimento dos Trabalhadore s Rurais Sem Terra (MST) sob as políticas neoliberais no Brasil, na década de 1990

Autores

  • Fabiana de Cássia RODRIGUES

DOI:

https://doi.org/10.36311/1519-0110.2014.v15n1.3982

Resumo

Este artigo traz uma reflexão sobre a luta pela educação e pela Reforma Agrária do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) nos anos em que o ideário neoliberal passou a constituir diretriz das políticas governamentais. Se de um lado, a ofensiva neoliberal foi decisiva para intensificar os conflitos pela terra, ela também foi responsável por dotar a luta pela educação no MST de características com alto teor subversivo. Pretende-se levantar alguns aspectos para a discussão sobre como a luta pela Reforma Agrária condicionava as diretrizes educacionais do MST. A luta do Movimento centrou-se nas ocupações que se tornaram sua matriz organizativa e educacional. Enfocamos a década de 1990, apresentando nexos entre as lutas pela terra e a proposta educacional do MST, a partir das principais ideias que compõem a sua pedagogia, conforme sistematizada pela educadora Roseli Caldart.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana de Cássia RODRIGUES

O Laboratório Editorial foi instituído com o objetivo de criar condições e oportunidades para a difusão de pesquisas e tornar públicos os resultados dos trabalhos do corpo docente da FFC. Constitui-se num órgão adjunto à Diretoria da FFC e vinculado à SAEPE, com o apoio da Seção Gráfica, da Diretoria, da Biblioteca, e das Seções de Finanças, Compras e Técnica Acadêmica. A função do Laboratório Editorial é a de assessorar, planejar, realizar e distribuir livros, periódicos e outras publicações elaboradas na FFC.

E-mail: labeditorial@marilia.unesp.br 

Downloads

Edição

Seção

Artigos