O COGITO PARTIDO E FERIDO DE RICOEUR: UMA ALTERNATIVA A DESCARTES E NIETZSCHE

Autores

  • Cristina Amaro Viana MEIRELES (UFAL)

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-8900.2016.v8.n17.03.p18

Resumo

O objetivo deste artigo é explorar o conceito ricoeuriano de subjetividade a partir do diálogo que o filósofo desenvolve, no Prefácio a O si-mesmo como outro (1990), com Descartes e Nietzsche. Partindo da constatação de que as propostas de ambos seriam exageradas – o primeiro exaltando o sujeito, o segundo o humilhando –, Ricoeur proporá que se conceba o sujeito como um si, isto é, o resultado de um esforço de reflexão em direção a si-mesmo. Sem adentrar numa explicação minuciosa da especificidade do si em Ricoeur – que é, aliás, assunto que compõe a totalidade da obra O si-mesmo como outro –, nos limitaremos a expor as fraquezas que Ricoeur identifica na noção de cogito cartesiano; em seguida, apontaremos as fraquezas que ele identifica no que ele chamou de um cogito nietzschiano; e, finalmente, explicaremos de que modo a noção de cogito partido e ferido de Ricoeur, situando-se estrategicamente como uma alternativa a Descartes e a Nietzsche, abre um caminho promissor para se conceber o sujeito contemporaneamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristina Amaro Viana MEIRELES (UFAL)

O Laboratório Editorial foi instituído com o objetivo de criar condições e oportunidades para a difusão de pesquisas e tornar públicos os resultados dos trabalhos do corpo docente da FFC. Constitui-se num órgão adjunto à Diretoria da FFC e vinculado à SAEPE, com o apoio da Seção Gráfica, da Diretoria, da Biblioteca, e das Seções de Finanças, Compras e Técnica Acadêmica. A função do Laboratório Editorial é a de assessorar, planejar, realizar e distribuir livros, periódicos e outras publicações elaboradas na FFC.

E-mail: labeditorial@marilia.unesp.br 

Downloads

Publicado

2016-11-07